2011-08-26

Oito policiais suspeitos de envolvimento no assassinato de juíza

Geral
Oito policiais suspeitos de envolvimento no assassinato de juíza

Antônio Werneck e Ana Cláudia Costa, O Globo

A principal linha de investigação para esclarcer o assassinato da juíza Patrícia Acioli, assassinada com 21 tiros na Região Oceânica de Niterói, no último dia 11, é a prisão de oito policiais militares. No rol de suspeitos da Divisão de Homicídios (DH) estão um tenente, dois cabos e cinco soldados que formavam o Grupo de Ações Táticas (GAT) do 7º BPM (Alcântara). Os PMs tiveram a prisão preventiva decretada pela juíza no mesmo dia em que ela foi executada.

O sigilo telefônico dos oito policiais foi quebrado por ordem da Justiça. Os investigadores da DH fazem, agora, o cruzamento das ligações feitas pelo grupo principalmente nos dias 11, 12 e 13. Nesse período, aconteceu a prisão de seis dos oito PMs suspeitos. Dois deles já cumpriam prisão temporária. A DH quer saber com quem eles conversaram e por quanto tempo, e também procura confirmar onde cada um esteve naqueles três dias.

Foram informações obtidas junto a pessoas ligadas profissionalmente à juíza Patrícia Acioli que levantaram as suspeitas dos policiais da DH envolvidos na investigação do assassinato.

Testemunhas disseram que os oito PMs não esperavam ter a prisão decretada e teriam ficado visivelmente irritados quando souberam da decisão da magistrada.

- Eles ficaram surpresos, revoltados, uma vez que a própria juíza havia garantido que só decretaria a prisão de um. Não sei exatamente dizer porque ela mudou de ideia e resolveu decretar a prisão de todos - contou um amigo de Patrícia

 

Caso Patrícia Acioli

Oito policiais são suspeitos de envolvimento no assassinato de juíza em Niterói

Publicada em 25/08/2011 às 23h08m

Juíza Patrícia Acioli/ Foto: Reprodução

RIO - A principal linha de investigação para esclarcer o assassinato da juíza Patrícia Acioli, assassinada com 21 tiros na Região Oceânica de Niterói, no último dia 11 , é a prisão de oito policiais militares. No rol de suspeitos da Divisão de Homicídios (DH) estão um tenente, dois cabos e cinco soldados que formavam o Grupo de Ações Táticas (GAT) do 7º BPM (Alcântara). Os PMs tiveram a prisão preventiva decretada pela juíza no mesmo dia em que ela foi executada.

O sigilo telefônico dos oito policiais foi quebrado por ordem da Justiça. Os investigadores da DH fazem, agora, o cruzamento das ligações feitas pelo grupo principalmente nos dias 11, 12 e 13. Nesse período, aconteceu a prisão de seis dos oito PMs suspeitos. Dois deles já cumpriam prisão temporária. A DH quer saber com quem eles conversaram e por quanto tempo, e também procura confirmar onde cada um esteve naqueles três dias.

Foram informações obtidas junto a pessoas ligadas profissionalmente à juíza Patrícia Acioli que levantaram as suspeitas dos policiais da DH envolvidos na investigação do assassinato. Testemunhas disseram que os oito PMs não esperavam ter a prisão decretada e teriam ficado visivelmente irritados quando souberam da decisão da magistrada.

- Eles ficaram surpresos, revoltados, uma vez que a própria juíza havia garantido que só decretaria a prisão de um. Não sei exatamente dizer porque ela mudou de ideia e resolveu decretar a prisão de todos - contou um amigo de Patrícia.

Os oito PMs são acusados da execução de Diego de Souza Beliene, de 18 anos, irmão de um traficante da favela do Salgueiro, em São Gonçalo. A região é considerada uma área violenta, reduto de bandidos que fugiram de morros ocupados pela polícia no Rio. De acordo com a denúncia, no dia 3 de junho deste ano, os policiais militares teriam entrado na favela, matado o rapaz e simulado um confronto. Os PMs teriam deixado uma pistola 9mm e uma quantidade de drogas (cocaína e maconha) ao lado do corpo.

Moradores do local e parentes de Diego disseram que ele trabalhava e não era ligado ao tráfico. A história dos PMs não convenceu os policiais da 72ª DP (Centro), que investigavam o crime. Já havia no município um movimento, liderado pela juíza Patrícia Acioli, contra casos semelhantes. No ano passado, ela chegou a reunir policiais, promotores e coronéis da Polícia Militar de São Gonçalo para avisar que não toleraria a proliferação de execuções, sob o pretexto de terem sido autos de resistência - morte em confronto. No curso do inquérito, a versão dos PMs acabou definitivamente derrubada e os policiais foram denunciados por homicídio qualificado. Dos oito policiais, dois cabos acabaram tendo a prisão decretada e um deles admitiu ter feito o disparo que matou o rapaz.

- Um cabo acabou assumindo tudo, reconhecendo que havia errado e matado o rapaz. Parecia que o crime estava resolvido. Os policiais civis nem chegaram a indiciar os demais, após a confissão - afirmou uma testemunha ouvida pelo GLOBO.

Outras três pessoas ouvidas pelo jornal afirmaram que a juíza Patrícia Acioli, no dia 11, presidiu várias audiências. Por volta das 18h, ela começou a apreciar o caso dos policiais. Todos no Tribunal do Júri acreditavam que a juíza iria manter apenas a prisão do cabo. Os outros policiais não estavam no fórum, mas a notícia da decretação da prisão, por volta das 19h30m, logo se espalhou pela cidade.

- As 20h daquela noite, pelo menos três PMs foram avisados pelo advogado da decisão. Ninguém entendeu os motivos. O martelo de ferro (apelido que a juíza ganhou por aplicar sentenças consideradas duras) funcionou - revelou uma testemunha.

Ao considerarem os policiais militares como os principais suspeitos, os agentes da Delegacia de Homicídios acreditam que o assassinato da juíza não foi planejado, mas decidido, às pressas, na mesma noite do crime. Nessa hipótese, Patrícia Acioli teria sido seguida do fórum até sua casa, na Região Oceânica. Pelo menos duas motocicletas e um carro teriam sido usados pelos criminosos, que executaram a juíza com tiros de pistolas .40 e 45.

Outro detalhe importante das investigações foi incluído no inquérito pelos peritos do Instituto de Criminalística (ICCE). Eles teriam informado aos policiais da DH que, com exceção de três tiros que atingiram a porta do carro de Patrícia Acioli, a maior parte dos disparos teria sido feita do alto para baixo. Com base nisso, a perícia estima que pelo menos um dos matadores era alto, com mais de 1,80 metro de altura.

A Divisão de Homicídios também está de posse de centenas de imagens de veículos que foram multados pela prefeitura de Niterói ultrapassando o limite de velocidade permitida ou furando o sinal vermelho no período entre 6 e 12 de agosto, dia seguinte ao crime. Um dos policiais militares considerados suspeitos é dono de uma motocicleta Honda CB 600, preta.

- Estamos verificando carros considerados suspeitos, motocicletas e até viaturas das polícias civil e militar que foram flagradas atravessando o sinal vermelho ou passando em alta velocidade pelos pardais na região próxima à casa da juíza - disse um policial que participa das investigações.

A DH está assistindo e analisando imagens de veículos trafegando pela Estrada Francisco da Cruz Nunes, que liga os bairros do Largo do Batalha e Itaipu; e a Estrada Caetano Monteiro, que serve de ligação entre os bairros do Largo da Batalha e Maria Paula, em Niterói. Outras imagens e fotografias (de agências bancárias, residências e condomínios) também estão passando pelo crivo dos policiais.

- Estamos buscando tudo que pode ajudar nas investigações. Cruzando dados, ouvindo testemunhas e analisando informações consistentes de disque-denúncias - contou outro policial da DH.

Juiz levanta casos de autos de resistência em São Gonçalo

Na segunda-feira, a PM recebeu do Tribunal de Justiça uma lista com 91 policiais que respondem a processos por homicídio na comarca de São Gonçalo . O juiz da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, Fábio Uchoa, substituto da juíza Patrícia Acioli, disse na quinta-feira que, ao analisar os processos em andamento, verificou que há cerca de cem policiais militares envolvidos em autos de resistência (mortes de suspeitos em supostos confrontos com a polícia).

LEIA MAIS: Substituto de juíza recusa segurança e promete levar mão pesada a São Gonçalo

- Somente aqui nesta vara criminal, há mais de 50 processos de autos de resistência e em muitos deles há mais de um policial envolvido. Isso é um problema crônico na PM, que pode ser resolvido com uma melhor formação do policial e uma análise psicológica de cada um - disse o juiz.

Uchoa informou que vai manter os pedidos, feitos por sua antecessora, para que sejam feitas 75 reconstituições de homicídios em São Gonçalo. Os crimes, em sua maioria, foram praticados por grupos de extermínio e, em muitos deles, há o envolvimento de policiais militares. Na tarde de ontem, o diretor do Departamento de Polícia Técnica da Polícia Civil, Sérgio Henriques, fez uma visita ao juiz e disse que criará uma força-tarefa para que essas reconstituições sejam feitas.

O juiz recebeu na quinta-feira em seu gabinete a primeira denúncia apontando um suspeito da morte da juíza Patrícia Acioli. O documento, sem remetente, acusa um policial civil de ser o principal suspeito do crime. O agente, de acordo com a denúncia, seria miliciano em São Gonçalo e responderia a um processo por crime passional na 4ª Vara Criminal. Uchoa encaminhou a denúncia para a Divisão de Homicídios, que apura o homicídio.

Até o fim da tarde de quinta, mesmo com a confirmação de que as balas que mataram a juíza partiram de um lote fornecido ao 7ºBPM (São Gonçalo) e ao 8ºBPM (Campos), nenhuma arma tinha sido entregue ao Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE), para que fosse feito exame de confronto balístico. Essa perícia poderá determinar de que armas partiram os tiros.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/mat/2011/08/25/oito-policiais-sao-suspeitos-de-envolvimento-no-assassinato-de-juiza-em-niteroi-925222559.asp#ixzz1W7ndcSrh
© 1996 - 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

Nenhum comentário: