2011-06-04

Mulher de Peña Esclusa apela a Dilma

 

Mulher de Peña Esclusa apela a Dilma

http://www.dcomercio.com.br/materia.aspx?id=70192&canal=21

Aproveitando a visita oficial que o presidente da Venezuela Hugo Chávez fará ao Brasil, na próxima segunda-feira, Indira Peña Esclusa, mulher do prisioneiro político Alejandro Peña Esclusa, redigiu uma carta à presidente Dilma Roussef pedindo que ela interceda junto ao presidente Hugo Chávez pela libertação de seu marido, que sofre de câncer e está na prisão "sem qualquer tratamento".

Na carta, que seria protocolada ontem, na Embaixada do Brasil na Venezuela, Indira informa que o marido "se encontra detido nos porões da polícia política venezuelana, o Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (SEBIN), desde 12 de julho de 2010".

Indira também enumera os motivos para recorrer à Dilma. "Primeiro, meu marido padece de câncer, enfermidade da qual a senhora também foi vítima e hoje constitui um exemplo de superação. Segundo, a senhora foi uma prisioneira política como hoje é meu esposo e conhece como isso nos afeta na família, pois sou casada há 22 anos com Alejandro e temos três filhas menores. Terceiro, a senhora é mulher e mãe, tal como eu sou, e nós sabemos que por nossa família, somos capazes de lutar até esgotar o último alento. E quarto, a senhora se reunirá com o presidente Hugo Chávez durante os primeiros dias de junho".

Depois, conta que na semana passada o deputado boliviano Adrián Oliva foi à Venezuela em representação de 37 parlamentares de seu país para advogar ante o governo venezuelano pela liberdade de Alejandro. "Ele explicava, nas entrevistas, que ofereceu aos meios de comunicação caraquenhos que 'a política e a ideologia terminam onde começa o direito humanitário'".

"Certamente meu esposo é um opositor ao governo venezuelano, mas sempre estabeleceu seu trabalho dentro de procedimentos pacíficos, democráticos e constitucionais, o que lhe custou viver sob o estigma de 'inimigo' e ser vítima de calúnias inverossímeis, que depois se converteram em perseguição judicial, como ele mesmo denunciou ante a CIDH em 2 de setembro de 2009, antes de ser preso".

Alejandro, prossegue sua mulher, está encarcerado sem que sequer tenha começado o julgamento contra ele, e sofre de câncer de próstata. "Durante este tempo, meu marido não recebeu tratamento médico que o caso requer, o que aumenta seriamente o risco de uma metástase."

O texto diz que "as personalidades que se pronunciam a seu favor solicitaram ao governo venezuelano medida cautelar de julgamento em liberdade, para que possa enfrentar o problema de saúde e o julgamento, do qual estamos seguros sairá airoso, se não houver um interesse político em condená-lo".

A seguir, Indira pede que Dilma estude este caso, "analisando-o à luz de sua própria experiência pessoal. Estou convencida de que gozarei de sua compreensão e sensibilidade, porque as mulheres na política, como a senhora, estão chamadas a trazer o amor e a solidariedade à rude batalha política. Porque não existe ideologia política que mereça que percamos a condição humana". E, finalmente, apela para que a presidente lembre a Chávez "dos deveres como Chefe de um Estado que assinou tratados internacionais sobre direito humanitário".

Aproveitando a visita oficial que o presidente da Venezuela Hugo Chávez fará ao Brasil, na próxima segunda-feira, Indira Peña Esclusa, mulher do prisioneiro político Alejandro Peña Esclusa, redigiu uma carta à presidente Dilma Roussef pedindo que ela interceda junto ao presidente Hugo Chávez pela libertação de seu marido, que sofre de câncer e está na prisão "sem qualquer tratamento".

Na carta, que seria protocolada ontem, na Embaixada do Brasil na Venezuela, Indira informa que o marido "se encontra detido nos porões da polícia política venezuelana, o Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (SEBIN), desde 12 de julho de 2010".

Leonardo Rodrigues/Hype - 25/09/2006

Esclusa: Opositor ferrenho de Chávez desde os anos 90, ele é conhecido como conferencista que fala da situação política de seu país sem o menor ódio.

Indira também enumera os motivos para recorrer à Dilma. "Primeiro, meu marido padece de câncer, enfermidade da qual a senhora também foi vítima e hoje constitui um exemplo de superação. Segundo, a senhora foi uma prisioneira política como hoje é meu esposo e conhece como isso nos afeta na família, pois sou casada há 22 anos com Alejandro e temos três filhas menores. Terceiro, a senhora é mulher e mãe, tal como eu sou, e nós sabemos que por nossa família, somos capazes de lutar até esgotar o último alento. E quarto, a senhora se reunirá com o presidente Hugo Chávez durante os primeiros dias de junho".

Depois, conta que na semana passada o deputado boliviano Adrián Oliva foi à Venezuela em representação de 37 parlamentares de seu país para advogar ante o governo venezuelano pela liberdade de Alejandro. "Ele explicava, nas entrevistas, que ofereceu aos meios de comunicação caraquenhos que 'a política e a ideologia terminam onde começa o direito humanitário'".

Ele se opôs a Chávez. Está preso.

Engenheiro mecânico, aviador, lutador de karatê, político que se candidatou à presidência da Venezuela por duas vezes e, principalmente, opositor ferrenho de Hugo Chávez desde os anos 90, Alejandro Peña Esclusa está preso desde 2010.

Por quê? Olavo de Carvalho, em 14 de Julho de 2010, explicou. "Todo mundo sabia que isso ia acontecer mais cedo ou mais tarde. Só não se esperava que os agentes da ditadura chavista tivessem, como tiveram, o cinismo de plantar explosivos na casa de um político que nunca usou de violência nem mesmo verbal".

Diz Carvalho: "Peña é conhecido do público brasileiro como conferencista sério e equilibrado, que descreve a situação política de seu país com tristeza, mas com serenidade e nem o mais mínimo sinal de ódio".

Um comentário:

José de Araujo Madeiro disse...

Tia Cê,

Veja se essa carta possa ser publicada na imprensa dos Estados Unidos, para que a ONU, a OEA, ou as Cortes de Haia tomem as devidas providências contra o Hugo Chaves.

Que não espere respostas positivas da Dilma Rousseff. Ela está levando um Golpe Branco do Lula.

Repassamos para você este comentário:
Lula faz visita ($$$$$$$$$$)
ao Fidel Castro e ao Hugo Chaves.

Os PTralhas continuam fustigando o povo, fermentando uma reação imprevisível da nação brasileira, acreditando que o povo não reagirá à Ditadura Comunista no Brasil.

O fato é que eles não dispõem de apoio das FFAA para uma aventura dessa envergadura. De esmagar à nação brasileira.

Vejamos bem qual foi a resposta dos evangèlicos e católicos na questão dos KITS-GAY nas escolas e do Casamento Homossexual.

Certamente, a resposta da nação será imprevisível, quando estiver instalada uma ditadura civil no Brasil.Quando o povo não tiver a plena liberdade e com controle da imprensa. Quando o poder totalitário não estiver dando satisfações a ninguém, locupletando-se da Economia, em bnefício de um único partido e tratando a população com distribuição de migalhas, tais como acontecem em Cuba, há 53 anos nas mãos de Fidel Castro.

O Lula é um persona doente. Não há adjetivo pernioso para qualificá-lo. Embriagado pela vaidade e pela falta de escrúpulos, o Lula visa apenas o Poder e, para isto, precisa tomá-lo da nação, dentro dos métodos gramscitas, já que não dispõe de apoio militar para dar um Golpe de Estado. Mas, com apoio do PMDB, está dando um Golpe Branco na Dilma. Que será consumado com a permanência do Palocci.

Temos que encontrar um meio de jogar o STF para ser interpelado e contraditado pela imprensa.

O Congresso Nacional já está sendo interpelado pela imprensa, face os escândalos do Palocci e de outros do passado recente, como do Mensalão.

Conforme a matéria do Radar Político, o Lula está em Cuba e depois vai à Venezuela, deixar a grana dos brasileiros, a fundo perdido, pela ajuda do BNDS, com apoio dos eleitores das bolsas família, verde, miséria e de outras irrelevâncias financeiras prestadas pelo Estado PTralha.

Quando eles lhes negam dinheiro para o SUS, para Segurança, para assistências nos casos das enchentes, soterramentos pelas chuvas nas favelas dos morros, etc.

Este é o quadro do atual governo comunista do Brasil e que a classe média, como nós, não estamos sabendo como enfrentar, para impor a nossa Democracia. Pelo menos contrabalançar na correlação de forças. O PMDB apenas dividiu o poder do PT, mas apenas para seus interesses e não os da nação.

Todavia, o Palocci é a bola de vez, temos que mantê-lo sangrando para que a Dilma perca credibilidade e extensiva ao Lula tentado salvá-la. É como num jogo de xadrez. O Palocci como um Cavalo, a Dilma como uma Dama e o Lula como um Rei.

No entanto, quando todo o Estado Brasileiro estiver nas mãos dos PTralhas, aparelhado como eles pretendem e cumprindo às determinações do Governo Cubano, como se observa através do Lula, não temos bola de cristal para prever o que nos possa acontecer.

Porém fizemos, com consciência, o nosso dever de cidadãos.

Mas o flanco está aberto. Reforçar o contraponto, em conjunto, aos evangèlicos e católicos, sem preocupar com as pequenas divergências. O foco de atuação deve ser este, do enfrentamento à Ditadura Civil no Brasil. Contra o Poder PTralha.

As questões menores e surgidas entre nós serão resolvidas noutras ocasiões.

Mas que Deus nos ilumine e guarde!

Att;
Madeiro