2011-03-23

Obama, o grande santo, desmoraliza a ONU e o Congresso dos EUA, o que Bush nunca fez!

 

Reinaldo Azevedo

Obama, o grande santo, desmoraliza a ONU e o Congresso dos EUA, o que Bush nunca fez!

obama-pra-la-e-pra-caPois é, queridos!

Intuo que uma das coisas que os mantêm ligados ao blog, além do fato de esse ser um ponto de encontro para o diálogo entre vocês, é o fato de o blogueiro jamais passar vontade de dizer o que pensa, sem perguntar a quem está exatamente incomodando — menos ainda com medo de ser mal interpretado. Não ligo para o que pensam a meu respeito. Se eu fizesse a vontade “deles”, seria ou um deles ou seu servo. Não preciso ir a Benghazi ou a Trípoli — e nada contra quem vai, muito pelo contrário — para perceber certos desvãos da lógica, que têm de ser iluminados. (I)modestamente, noto que algumas questões aqui propostas desde sempre sobre a crise da Líbia começam a despertar a curiosidade da imprensa americana — e, em alguns casos, a indignação. Barack Obama, hoje, humilha a ONU e até o Congresso do seu país. Vamos com calma.

Só agora o New York Times se dá ao trabalho de perguntar, numa “análise” de David D. Kirkpatrick, se o que ocorre na Líbia é  uma luta por democracia ou uma guerra civil. O autor, talvez patrulhado pelo politicamente correto, não chega a dar “a” resposta. Mas demonstra com fatos: é uma guerra civil! Acho que vocês leram isso primeiro aqui, não é mesmo? Já disse que uma das minhas tarefas mais caras é revelar… o óbvio!

O autor apela à dúvida decorosa de um acadêmico — essa gente morre de medo de ver o tal óbvio —-, que vem com uma advertência. Indagado se é luta por democracia ou guerra civil, afirma Paul Sullivan, cientista político da Universidade de Georgetown: “É uma questão importante, terrivelmente difícil de responder. Quando Kadafi deixar o poder, podemos ter uma surpresa muito grande ao descobrir com o que estamos lidando”. Sullivan sabe a resposta, claro, mas deve temer que não o considerem um amante da liberdade. Se os dois lados da batalha estão armados de fuzis, tanques, aviões e baterias antiaéreas, é guerra civil!

Kirkpatrick lembra que, a exemplo do governo de Kadafi, também o dos rebeldes é formado por laços familiares e tribais. Assim como a imprensa oficial da Líbia mente, os seus opositores não têm qualquer compromisso com a verdade, reivindicando vitórias inexistentes no campo de batalha, declarando que cidades estão em disputa quando já controladas pelo coronel e, ATENÇÃO!, exagerando enormemente ao acusar o comportamento bárbaro do adversário. TUDO, AQUILO, LEITORES, QUE VOCÊS, CANSARAM DE LER POR AQUI. Ontem, por exemplo, correu o mundo a imagem do funeral de um — sim, de um! — rebelde. Havia protesto e gritaria. Se podem fazer aquela cena ganhar o planeta, por que não espalharam as dos chamados massacres? É inaceitável que a imprensa ocidental, a nossa inclusive, não se coloque essa questão. Kirkpatrick, em suma, está dizendo que os rebeldes mentem um pouquinho…

O autor observa que responder se é luta por democracia ou guerra civil poderia decidir até mesmo o futuro da intervenção das potências ocidentais. Eu diria, discordando um pouco dele, QUE A RESPOSTA DECIDE, NO MÁXIMO, A MORALIDADE DA INTERVENÇÃO. O resultado já está definido. Ou se imagina possível que o coronel resista àquela gigantesca máquina de guerra?

ONU E CONGRESSO DOS EUA
Há dois absurdos em curso. A resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU fala expressamente na proteção a civis, mas prevê que qualquer medida pode ser adotada para garanti-la. Também exige o cessar-fogo e anuncia a implementação da zona de exclusão aérea. Muito bem! As potências acusam Kadafi de mentir e de não respeitar o cessar-fogo. Mas ele não deveria valer para os dois lados? Não! Segundo um assessor de Obama, “rebeldes são civis”. Assim, os aliados estariam apenas “garantindo a sua segurança” quando permitem que avancem contra forças de Kadafi previamente atacadas. ATENÇÃO! NUNCA SE VIU UMA RESOLUÇÃO COMO ESSA!

Voltemos um pouquinho àquele que foi visto como o Grande Satã também pela imprensa ocidental. Bush suou para conseguir a autorização dos congressistas para travar a guerra no Iraque. Obama mandou bombardear a Líbia sem lhes dar a menor pelota. Enviou uma carta depois de iniciado o ataque afirmando que a ação americana será limitada etc e tal e que não haverá envio de tropas terrestres. Ah, bom! Como se ele pudesse também enviar tropas sem prévia autorização! É patético! Afirmar que o que se vê no país é só proteção a civis e implementação da zona de exclusão aérea é uma piada macabra. Aquilo, obviamente, é uma guerra.

A imprensa americana começa a acordar do torpor. A nossa, com as exceções de sempre — deveria escrever “a” exceção? — ainda pisa nos astros distraída.  Críticos contumazes de Bush, aquele que queria ser “policial do planeta”, mostram-se agora engajados no esforço “humanista” de Obama, Sarkozy e Cameron…

Não dá! Eu não lido bem com baguncismo institucional, pouco importa o lugar — na minha casa (sim, há “instituições” aqui), em Dois Córregos, no Brasil, nos EUA ou na ONU. É um bem para a humanidade que Kadafi vá para o quinto dos infernos? É, sim! Mas as instituições não têm de ir junto com ele. E Obama está se mostrando um grande bagunceiro! Muitos achavam que seria temerário ter na Presidência dos EUA um homem tão inexperiente. Era um juízo convencional, conservador. Convencional, conservador e correto!

Por Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário: