2010-05-07

Quilombo de Palmas: mais um Kolkhoze tupinikin!

         Olá, amigos,


Depois de muito tempo o Notalatina volta a atualizar-se, desta vez trazendo uma denúncia gravíssima que está ocorrendo na lingínqua Bagé, no RS. O governo está ampliando os "kolkhozes tupinikins" e agora a farsa criminosa quer atingir uma comunidade quilombola que vive há séculos em plena harmonia com os fazendeiros brancos.


Há uma excelente entrevista com um dos líderes do Quilombo de Palmas, em que ele desmascara a farsa governamental e denuncia a "coletivização forçada" das terras de seus legítimos proprietários.


Peço que divulguem amplamente, porque esta notícia não está sendo publicada pela grande imprensa,  mas não esqueçam de dar os créditos ao Notalatina.


Fiquem com Deus e até a próxima!

G. Salgueiro
http://notalatina.blogspot.com

Quilombo de Palmas: mais um Kolkhoze tupinikin!

O Notalatina esteve sem atualização desde o começo de abril, em decorrência de problemas pessoais que tive de resolver. Hoje eu volto com um assunto que não é o prometido mas que merece toda a atenção possível, pois trata-se de mais um crime do Governo contra a propriedade privada. Chávez descaradamente “expropria” terras e empresas, enquanto o governo brasileiro cria kolkhozes, no mais puro estilo stalinista, disfarçados sob o nome de “comunidades” indígenas e quilombolas. (Na foto ao lado, a entrada de um Kolkhoze da Ukrania, por Echalette).
Na distante cidade de Bagé, no RS, existe uma comunidade afro-descendente do Quilombo de Palmas, na localidade de Pedreira. Ali conviviam há séculos, em perfeita harmonia, proprietários brancos e negros, até que o governo federal resolveu criar a discórdia colocando uns contra os outros.
As criações de falsos quilombos por todo o território nacional vêm há anos sendo postas em prática pelo governo federal, e disto a revista Veja desta semana fez uma longa matéria sob o titulo A farra da antropologia oportunista, em que trata tanto das farsas indígenas quanto de quilombolas.

para ler TUDO click no título


Comentários: G. Salgueiro

Nenhum comentário: