2010-02-11

Obaaaaaaaaaa, o Alfarrábio voltou!

Na Fossa com Waleska

Eu era pirralho, mas me lembro muito bem. Nos anos 70 havia este problema. As pessoas que freqüentavam certos lugares pediam sempre "UMA GUARANÁ". Um desses lugares era o tal AERO-CLUBE, uma espécie de Canecão mais humilde da minha cidade natal onde vivi por 15 anos. Aos 11, não sei como aconteceu, fui à um dos bailes noturnos que aconteciam por lá. Diversão para adultos, é claro, mas como eu já tinha 11 anos de vasta experiência de vida, achei que minha presença no local era pertinente. Além do mais, meus pais deixaram. Só não sei mesmo é como entrei. Tomava-se muito uísque naquela época. Uísque temperado com "uma guaraná". A música mecânica comandada pela loja "Paulinho Discos" ditava o ritmo.

É bom lembrar também que naquela época não se ouvia falar em DJs. Isso ainda não existia por lá. Botava-se discos para o pessoal dançar. As pessoas iam chegando com suas roupas indescritíveis encomendadas diretamente de Campos ou de Niterói, e que lá eram revendidas feito muamba em pequenas boutiques. Para uma criança de 11 anos estar ali no Aero-Clube naquele horário, e tudo estar apenas começando era o máximo. Nas carrapetas, os top hits folclóricos da época: Donna Summer, Chic, Gloria Gaynor, Earth, Wind & Fire, Manu Dibango, Giorgio Moroder, Foxy, Barry White e muitos outros ecoavam no salão sonoro. Eu queria dançar. Estava adorando e me sentindo importante.

Alguém me falou então, que seria assim só enquanto a atração principal se preparava no camarim para entrar no palco. Sim. Teríamos música ao vivo e ninguém havia me contado. Pensei que ficaria ali dançando e dançando a noite toda hits de discoteca. Mas não. Havia instrumentos musicais e uma bateria enorme no palco. Seria um show. Um show de WALESKA! A Rainha da Fossa. Fiquei nervoso, com raiva, aflito e apavorado. Eu queria dançar! Além do mais, não sabia o que era fossa. - Peraí - perguntei - Fossa não é aquele buraco onde as pessoas fazem as suas necessidades? Por que esta mulher quer ser rainha disso???!!!

Não, eu não sabia o que era fossa. Mas sabia muito bem quem era aquela Waleska. Sabia porque a mãe da Silvana, minha colega de colégio tinha um disco dessa Waleska. Às vezes eu ia na casa da Silvana estudar, e a mãe dela ouvia aquele disco sempre com as luzes apagadas e ninguém podia incomodá-la. Só a capa do disco já me dava arrepios. Eu nem encostava a mão. Tinha um rasgão comprido em uma das beiradas.
A mãe de Silvana era uma mulher muito esquisita. Se a Silvana a incomodasse naquele momento, ela batia na Silvana. Batia. Dava um tapa. Pá! E a Silvana saía correndo chorando. Corria feito uma saracura, com aquelas pernas magrinhas. Tadinha da Silvana. Eu ficava com pena dela. Comentava-se que a mãe dela era assim porque ouvia o dia inteiro aquele disco daquela Waleska, que Waleska cantava músicas muito tristes, letras melancólicas as quais minha pouca vivência no planeta Terra ainda não me permitiria compreender, sentimentos obscuros do mundo dos que tomam uísque com "uma guaraná". E para piorar, que a mãe da Silvana era amiga dela. Amiga daquela Waleska. Mas eu acho que era mentira. Penso que inventavam isso para botar medo na gente. E funcionava.

Sim. Eu confesso. Eu tinha medo de Waleska.

Meia-noite, a música mecânica parou. Neste momento, enquanto eu estava imerso em pensamentos reflexivos, uma tempestade que já vinha se anunciando desde o início da noite resolveu inundar o éter. Trovões estrondosos, relâmpagos e raios mortíferos cruzavam os céus. O sistema de iluminação da cidade entrou em curto, as luzes do Aero-Clube se apagaram. E eu ali... -"Waleska...", pensava...”Waleska está aqui comigo nesta escuridão...”. Olhava aturdido para todos os lugares achando que sob meus pés se abriria uma fossa, e que a mão gelada e gosmenta de Waleska surgiria lá de dentro e agarraria meus pés para me puxar. Tudo escuro.

Súbito, um relâmpago enorme iluminou com seu clarão o palco, e eu a vi!
Sentada na bateria, com um enorme vestido longo negro, o cabelo platinado desgrenhado, com um copo de uísque na mão e soltando fumaça pela boca: Waleska! Linda e medonha. Fiquei ali, com os olhos vidrados durante infinitos minutos, esperando que cada relâmpago denunciasse aquela silhueta diversas vezes, até que de repente, ela não estava mais lá. Foi-se, deixando no ar apenas a bruma da fumaça de seu cigarro. Como uma visão, um fantasma.

A tempestade não parou. E a luz também não voltou. Waleska não cantou. E eu voltei prá casa.... assim...em transe...

foi assim mesmo.... eu acho....

Hoje em dia tenho um disco de Waleska. Gosto. Ainda para mim é estranho. Ainda tenho medo de Waleska. Mas eu gosto. Gosto também de uísque. Mas puro. Sem "a guaraná. "

Postado por Edgard Westwind às 10:49 AM 0 comentários



Publiquei isso em 2008:
http://oemunctorio.blogspot.com/2008/09/waleska-pra-que-um-olho-sim-e-um-olho.html

Nenhum comentário: