2010-02-16

GAYS NA VITRINE DO EXÉRCITO, PRA QUE?

O General Santa Rosa não ficará só

Luís Mauro Ferreira Gomes | 14 Fevereiro 2010
Artigos - Governo do PT

 

foto_GenSantaRosa

O Gen. Santa Rosa conta com a nossa mais absoluta solidariedade, pois ele simplesmente disse o que todos os militares e civis que têm vergonha pensam.

O general genérico Nelson Jobim pediu a exoneração do General-de-Exército Maynard Marques de Santa Rosa, este, verdadeiro, e foi noticiado na televisão que o Comandante do Exército concordou com tal pedido. Preferimos nem imaginar que esse apoio pudesse ser possível.

 

 

A exoneração, feita por covardes, como sempre, foi divulgada às vésperas de um feriado, desta vez, o carnaval. Com isso, pretendem minimizar a reação que, sem dúvida, virá.

 


Aliás, esse governo vive em eterno carnaval de indignidades. Essa é, apenas, mais uma: a destituição de um chefe militar por ter dito a verdade, enquanto o seu algoz, fraudador confesso da Constituição, continua impune.

 


O Gen. Santa Rosa conta com a nossa mais absoluta solidariedade, pois ele simplesmente disse o que todos os militares e civis que têm vergonha pensam. Da última vez que Jobim foi contestado e pediu a exoneração de membros do Alto-Comando do Exército, foi obrigado a dizer que o assunto estava superado, e tudo ficou como estava.
Se assim não for desta vez, alguma coisa terá mudado para muito pior.

 


Vamos esperar que a coragem não abandone os nossos colegas da ativa neste momento crítico e que defendam o General com todas as suas forças, até as últimas conseqüências.

 


Assim, estarão defendendo-se, também. Se todos se unirem, não acontecerá nada a ninguém. Se não o fizerem, estarão cavando a sepultura onde serão enterrados, muito brevemente, um de cada vez.

 


Os fracos somente conseguem o desprezo de todos. Daqueles a quem bajulam não terão gratidão. Serão descartados sem piedade quando tiveram perdido a utilidade ou se apresentarem outros mais servis para ocupar os seus lugares. Dos seus pares se esconderão, com vergonha de aparecer em público, quando caírem na realidade do ostracismo, depois de perderem a pompa. É muito triste não ter quem lhes trate das feridas depois da derrota.

 


Esse grupo de terroristas não se manterá no poder por muito tempo. Quando tiverem perdido ou lhes tenham sido tomadas a caneta e a chave do cofre, encontrão o seu lugar na história entre os traidores e os criminosos, e levarão junto aqueles que os tenham ajudado. E isso acontecerá muito mais cedo do que alguns imaginam.

 

 

Para quem tem pouca memória, a Redentora Revolução Democrática 31 de Março virou ditadura militar na boca dos aproveitadores de sempre. Quem poderia imaginar, durante o milagre brasileiro, por enquanto esquecido, que assim seria?

 


O mesmo acontecerá com a ditadura petista, hoje, aparentemente toda poderosa. Os governos de esquerda e seus líderes estão começando a cair na América Latina, como previu Alexandro Peña Esclusa.

 


Em Honduras e no Chile já se foram. No Uruguai quase perderam. No Paraguai, vão muito mal. Hugo Chávez enfrenta problemas muito sérios e, ou cairá também, ou se transformará em ditador sem disfarce.

 


Esta é a razão do desespero de setores do governo que querem acelerar o processo de consolidação da ditadura no País, para não correrem o risco de fracassar outra vez, como aconteceu em todas as tentativas anteriores.

 


Não podemos perder mais esta oportunidade de nos fortalecermos, para abortarmos, depois, o atentado à nossa democracia que está em curso, patrocinado pelo governo federal.

 


Fraquejar agora seria muito mais do que um erro. Seria um desastre. Não pode ser esse o lugar reservado para os militares brasileiros na nossa história.

 


Não temos o direito de macular o nome das nossas Forças dessa forma. Como já dissemos anteriormente, deixar para as gerações futuras aquilo que é nosso dever a ser cumprido agora não seria nunca perdoado.

 


Não nos esqueçamos jamais que, um dia, juramos "dedicar-nos inteiramente ao serviço da Pátria, cuja Honra, Integridade e Instituições, defenderíamos com o sacrifício da própria vida".
Como nunca antes, a Pátria depende de nós.


Deixemos a prudência excessiva e o medo de lado e cumpramos o nosso juramento. É o que o que o Brasil espera de nós.
(*) O autor é Coronel-Aviador reformado.

 

Um comentário:

José de Araujo Madeiro disse...

Estimada Tia Cê,

Reafirmamos os nossos propósitos de que felizmente é este o desafio que teremos de enfrentar: da Eterna Vigilância como o Preço da Liberdade.

È a garantia que daremos como exemplo para os nossos descentes.

Que é um trabalho incessante, sem tréguas e sem recompensas imediatas, sòmente de lutas renhidas por um futuro mais justo para nossos filhos e através deles um Brasil mais próspero e civilizado, como convêm a uma autêntica democracia e do exercício das liberdades individuais.


Sempre assumido por um grupo restrito de pessoas e desprovidas de ambições pessoais, sobretudo eleitorais. Sempre duro e desgastante, mas recompensante por ser da defesa intransigente das nossas conquistas democráticas ao longo da história brasileira, de quinhentos anos, espelhada na cultura ocidental,de instituições fortes, com pessoas íntegras, dentre elas do Poder Judiciário, do Congresso Nacional e das FFAA, das competentes, nacionalistas e postadas nos valôres e tradições da família brasileira. As FFAA com a última das fronteiras e como um insígne e bravo guardião das nossas esperanças e da nossa autêntica brasilidade.

Sejamos então fiéis aos nossos princípios, aos nossos compromissos com as cores do nosso país e identificadas com a nossa pluralidade política, da nossa nação multiétnica.

Não esquecendo que o Gramsci e outros deslumbrados da utopia comunista, não conseguiram derrotar à Itália e não derrotarão o Brasil, se nós daquí também estivermos vivos e decididos, como lá outros estiveram e fizeram a sua história. Nós continuaremos fazendo à nossa, espelhados nos nossos antepassados e com os olhos mirados para o futuro .

A democracia derrotará sempre o comunismo, apesar das vicissitudes momentâneas. Assim foi para alguns italianos e aquí para alguns brasileiros, tais como você.

Att. Madeiro