2010-01-19

INÍCIO DO CAOS, ESTAMOS F...

Fim da transição
Olavo de Carvalho | 19 Janeiro 2010
Artigos - Governo do PT


Em todo esse episódio, a única coisa que me surpreende -- mui moderadamente aliás -- é que ainda haja quem se surpreenda, depois de tantos avisos.

O III Plano Nacional de Direitos Humanos tem dois objetivos principais: (1) inibir e suprimir, mediante o temor das sanções legais, toda resistência ao terrorismo de esquerda, passado, presente ou futuro; (2) entregar aos organismos revolucionários, eufemisticamente denominados "movimentos sociais", o poder total sobre a propriedade rural no Brasil.

As duas metas são distintas só em aparência. A primeira consagra o direito ao terrorismo comunista, a segunda faz daqueles que o pratiquem na zona rural os juízes soberanos de seus próprios atos.
O sentido do primeiro objetivo não se esgota, é claro, no gesto meramente simbólico de mandar nonagenários para a cadeia (se bem que isto tenha lá sua utilidade, do ponto de vista psicológico). Ele visa a consagrar como princípio legal a regra da "guerra assimétrica", onde um dos lados fica com todos os direitos, o outro com todas as obrigações, responsabilidades e encargos. O pretexto sublime é que estes últimos, como representantes do Estado, não podiam cometer as violências que, praticadas por seus adversários, seriam -- segundo a premissa embutida no argumento -- perfeitamente aceitáveis. Ora, mas esses adversários não constituíam tribunais, não julgavam, condenavam e executavam, inclusive a seus próprios companheiros infiéis? Não exerciam, assim, por autonomeação, as prerrogativas de agentes do Estado? Por que a culpa do agente legal do Estado que abuse de suas funções deveria ser maior que a daqueles que, além de abusar delas, as exercem ilegalmente, usurpatoriamente? A inversão revolucionária de sujeito e objeto não poderia ser mais evidente. Isto sem levar em conta o agravante notório de que vários terroristas brasileiros eram funcionários do governo cubano, atuando em nosso território não como inimigos locais do regime, mas como agentes estrangeiros. Raciocinar às avessas pode ter-se tornado uma prática tão habitual e corriqueira para os srs. Hélio Schwartzmann, Silvio Tendler e outros tantos apologistas do III Plano, que eles já nem percebem o que estão exigindo do público: que aceite, como preceito normal e óbvio, a idéia de que os agentes do Estado que cometam violência ilegal só devem ser punidos se estiverem a serviço do Estado brasileiro. Se trabalharem para o estrangeiro, podem matar, seqüestrar, torturar e roubar livremente, e ainda receber indenizações porque a polícia malvada não os deixou completar o serviço.

Quanto ao segundo objetivo, ele repete em gênero, número e grau a primeira palavra-de-ordem de Lênin ao desembarcar na Rússia revolucionária: "Todo o poder aos sovietes!" Na sua estrutura, nas suas funções e no seu espírito, os "movimentos sociais" do campo correspondem ponto por ponto aos sovietes. A essência da idéia não é tomar de imediato as fazendas particulares, é desprover seus proprietários de toda possibilidade de defesa perante um tribunal revolucionário. Essa defesa, aliás, já nem existe na prática. Quem não sabe que sentença de "reintegração de posse", hoje em dia, tem valor meramente sugestivo? Mas essa conquista meramente negativa não satisfaz às ambições da revolução: é preciso passar da mera supressão de direitos à afirmação ostensiva, oficial, do direito de suprimi-los.

Implantadas essas duas medidas, estará encerrado o "governo de transição" -- tarefa que o governo Lula assumiu explicitamente como sua --, e o caminho estará livre para a instauração do regime comunista, sem maiores disfarces ou anestésicos.

Tudo isso está planejado há décadas, no programa dos partidos de esquerda, nos livros de seus doutrinários e nas Atas do Foro de São Paulo. A mão que assinou aquela coisa é, afinal, a mesma que em 2001 firmou o compromisso de apoio irrestrito às Farc e condenou como "terrorismo de Estado" a luta do governo colombiano contra a narcoguerrilha. Em todo esse episódio, a única coisa que me surpreende -- mui moderadamente aliás -- é que ainda haja quem se surpreenda, depois de tantos avisos.

Que dirão agora aquelas lindas criaturas que uns anos atrás juravam "Lula mudou" e chamavam de louco quem quer que tentasse prognosticar o comportamento político do PT e demais partidos de esquerda não pela sua propaganda adocicada, mas pelos seus documentos internos, repletos de retórica odienta e ameaças apocalípticas?

Ah, não se preocupem, elas sempre encontrarão alguma desculpa esfarrapada. Afinal, vivem disso.





ATÉ STÁLIN FICARIA CORADO COM OS NOSSOS DEFENSORES DOS DIREITOS HUMANOS…

Por Reinaldo Azevedo


terça-feira, 19 de janeiro de 2010
6:13



Já não temos a menor dúvida sobre o que querem os besouros que o povo chama carinhosamente de “rola-bosta”: censurar a imprensa e mamar nas tetas do estado. Mas, em breve, eu lhes mostrarei essa verdade pela boca dos próprios, numa nada surpreendente, mas sempre espantosa, confissão. Vocês vão adorar. Aguardem um pouco. Conforme for, exibo o filme ainda hoje.



Esses notáveis democratas fizeram o debate regredir à Rússia de 1918, no ano seguinte ao golpe bolchevique. Mostram-se ainda mais ortodoxos, nas sua defesa da doutrina liberticida, do que o Stálin de 1936 ou a burocracia soviética de 1977.



Na primeira constituição soviética, de 1918 — na verdade, ainda da República Socialista Federativa Soviética da Rússia (Íntegra aqui) —, lia-se sobre a imprensa:

Com o objetivo de assegurar a liberdade de expressão às massas trabalhadoras, a República Socialista Federativa Soviética da Rússia abole a dependência que a imprensa tem do capital e transfere aos trabalhadores e aos camponeses os meios técnicos necessários para a publicação de jornais, panfletos livros etc e garante sua livre circulação em todo o país.



Sim, os besourões sonham com o verbo “abolir” aplicado no contexto acima. E se apresentam como os “trabalhadores e camponeses” que receberão, então, os meios técnicos adequados para fazer a “imprensa popular”. A maioria não trabalha e vive do dinheiro público. E a totalidade deles, incluindo João Pedro Stédile, deve imaginar que melancia nasce em árvore. Estes são os nossos “proletários” e os nossos “camponeses”.



Se o camarada Stálin lesse as propostas da tal Confecom (Conferência de Comunicação) ou do Programa Nacional dos Direitos Humanos, versão 3.0, ou, ainda, os textos preliminares da Conferência de Cultura, talvez dissesse: “O que é isso, companheiro? Vamos mais devagar. A Constituição soviética de 1936 (íntegra aqui) conseguia ser mais mansa com a liberdade de expressão do que a turma de Paulo Vannuchi, Dilma Rousseff e Franklin Martins. Leiam o Artigo 125:

Em conformidade com os interesses dos trabalhadores e com objetivo de fortalecer o sistema socialista, a lei garante aos cidadãos da URSS:

Liberdade de expressão;

Liberdade de imprensa;

Liberdade de reunião;

Liberdade de manifestação de rua;

Esses direitos civis estão garantidos porque se encontram à disposição dos trabalhadores e de suas organizações impressoras, papel, prédios públicos, ruas, meios de comunicação e outras condições materiais necessárias para o exercício desses direitos.



A Carta elaborada pela burocracia socialista em 1977 (aqui) foi um pouco mais sintética, mas também desagradaria aos nossos esquerdistas em sua mansidão:

De acordo com o interesse do povo e com o objetivo de fortalecer e fomentar o sistema socialista, é garantida aos cidadãos da URSS a liberdade de expressão, de imprensa, de reunião e de manifestação.



Também esse texto afirma que os trabalhadores têm à sua disposição os meios técnicos e aparelhos do estado para disseminar informações e a oportunidade de usar a imprensa, a TV e o rádio.



Mentira essencial

Bem, qual era a mentira essencial da URSS nesse particular — sempre observando que todo o sistema era fraudulento? Onde se lê “trabalhadores” ou “camponeses”, deve-se ler a burocracia do Partido Comunista. E isso era verdade em 1918, em 1936 ou em 1977. Também os nossos esquerdistas se querem porta-vozes dos trabalhadores. Quando pregam o “controle social da mídia”, estão falando de uma mídia que seja controlada por eles próprios — que passam a ser, então, a sociedade. Exagero? Vou provar que não! Vou exibir aqui uma formidável confissão.



A lembrança desses trechos de constituições soviéticas nos é útil porque dá, vamos dizer, paternidade histórica às proposta feitas pelos besourões — e todos sabemos o paraíso que lá se construiu. E olhem que afetavam bons propósitos, hein!? Os nossos stalinistas pançudos já não se dão o trabalho de disfarçar suas pretensões. Querem arreganhar os dentes já no texto legal — o que nem Stálin ousou fazer.



Vão conseguir? Não sei. Dilma Rousseff na Presidência da República é a melhor promessa que eles têm de lograr o seu intento. O Programa Nacional de Direitos Humanos passou pela Casa Civil. Ela é mais responsável pelo conteúdo final do documento do que Paulo Vannuchi. Ela é a esperança dos besourões. É a chance da revanche com que contam esquerdistas, oportunistas e dinheiristas vivaldinos de serviços. O tal programa é só uma espécie de síntese das pretensões da ex-militante da VPR e seus aliados oriundos da ALN e do MR-8.




O paraíso de Vannuchi, Dilma e Franklin
Por Reinaldo Azevedo

terça-feira, 19 de janeiro de 2010
6:11



Leiam notícia que a Efe deu ontem. Volto em seguida:



A Administração Geral de Imprensa e Publicações da China (GAPP, na sigla em inglês) comunicou nesta segunda-feira, 18, que investigou por “más práticas” 78 jornalistas chineses e condenou sete deles no ano passado, informou o site chinês CNR.

A entidade, encarregada de regular e controlar os meios de comunicação chineses, não explicou em que consistiram as penas impostas nem os motivos que levaram a abrir as investigações. “A GAPP mantém históricos dos repórteres que violaram as regras e determinações”, limitou-se a advertir o órgão.

O organismo censor, que no ano passado fechou mais de 15 mil sites por mostrar conteúdos pornográficos, assegurou que em 2010 os esforços continuarão destinados a localizar as notícias “falsas” e a perseguir os repórteres que se beneficiem economicamente de suas notícias ou queiram “influenciar” com elas.

Segundo os dados oficiais, a GAPP recebeu 184 denúncias de más práticas em 2009, a maioria das quais sobre notícias falsas ou interessadas e de fraudes jornalísticas.

Organizações pró-direitos humanos como Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e Human Rights Watch (HRW) consideram a China como um dos países de maior censura à imprensa e que conta o maior número de jornalistas presos, com mais de 20 jornalistas presos do total de 125 no mundo.



Comento

Digam se essa não é mesmo a pátria do sonhos de Paulo Vannuchi, Dilma Rousseff e Franklin Martins. No Brasil, a turma da Confecom quer exatamente isto: um “tribunal” (como chamou José Dirceu) para punir os jornalistas que não forem do gosto do “regime”. A tirania também “monitora” os jornalistas. É o que quer a Programa Nacional de Direitos Humanos.



Para arrematar: os chineses certamente não chamam o que fazem de censura ou perseguição. Dirão que atuam para proteger os direitos do povo e preservar a imprensa popular.

Nenhum comentário: