2009-12-16

URÂNIO

O SENADO DIZ SIM A CHÁVEZ: BRINCANDO COM O LOUCO E COM O PERIGO

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009 | 6:53

Por 35 votos a 27, o senado brasileiro aprovou o ingresso da Venezuela no Mercosul. Agora falta apenas a concordância do Parlamento paraguaio, onde a reputação de Hugo Chávez não é lá essas coisas. O governo Lula patrocina essa aproximação e marca mais um encontro com a confusão. Onde quer que Chávez se meta, o que se tem é desagregação, retórica beligerante e, cada vez mais, proximidade com o perigo.

Alguns senadores no Brasil deram aquele votozinho hipócrita: dizem ter-se pronunciado a favor do ingresso da Venezuela, não de Chávez. Entendo… Se, nas democracias, pode se fazer a distinção entre o país e o governante, nas ditaduras e regimes autoritários, isso não é possível — ou é: trata-se de colaboração com o ditador. O mais entusiasmado defensor de Chávez, ontem, foi o senador Aloizio Mercadante (PT-SP). Um gigante!

Hillary Clinton mandou um duro recado aos países da América Latina que se aproximam do Irã. É claro que o primeiro alvo é a Venezuela. O outro é o Brasil. Não falava por falar. A proximidade do Bandoleiro de Caracas com o regime de Teerã já é mais do que isso: trata-se de uma parceria com potencial literalmente explosivo. E é isso o que o Brasil está trazendo para o Mercosul.

No Wall Street Journal de ontem, o colunista Bret Stephens evidenciou uma proximidade mais perigosa do que habitualmente se imagina entre Chávez e Ahmadinejad, o que explica a fala surpreendentemente dura de Hillary. Com uma ironia ao ponto, ele observa: “Hugo Chávez e Ahmadinejad vão se encontrar na Cúpula do Clima em Copenhague. Diga-se o que se disser desses dois gentlemen — apoio a terroristas, negação do holocausto, supressão de liberdades civis —, ninguém poderá acusá-los, no entanto, de negadores do aquecimento global“. Perfeito!

Sem ignorar o lado farsesco da coisa, o articulista lembra que os dois presidentes estiveram juntos em Caracas no mês passado — 11ª encontro — cuidando, como sempre, de programas ambientalmente corretos e que emitem pouco carbono. “Bicicletas, por exemplo”. Em 2005, Chávez estimulou seu país a produzir bicicletas iranianas. Um laticínio, também iraniano, foi construído na fronteira com a Colômbia. Em território dominado pelas Farc. Sem dúvida, uma ação de grande sensibilidade ecológica.

Em Ciudad Bolívar, há uma fábrica iraniana de tratores. Em janeiro, a Associated Press noticiou que autoridades turcas apreenderam 22 contêineres a caminho da Venezuela, vindos o Irã, com o seguinte rótulo: “Peças de trator”. Segundo um oficial turco, eles continham material suficiente para montar um laboratório de explosivos. FOI A FAVOR DISSO QUE OS SENADORES BRASILEIROS VOTARAM ONTEM.

A aventura mais interessante do Irã no Venezuela, escreve Stephens, é uma suposta mina de ouro que fica perto de Salto del Angel (ver o primeiro mapa), na área conhecida como Bacia Roraima, quase na fronteira com a Guiana, onde a empresa canadense U308  afirma ter descoberto uma reserva de urânio (ver terceiro mapa) semelhante à da Bacia Athabasca, no Canadá, considerada a maior do mundo. Nota à margem: isso tudo fica ali pertinho da reserva Raposa Serra do Sol (ver segundo mapa), aquela dos índios telúricos de Ayres Britto, onde também existe urânio. Em 2006, Chávez chamou de “mentirosa” a acusação da cooperação nuclear entre Irã e Venezuela. Há três meses, o governo admitiu a cooperação técnica do Irã para procurar… urânio!

salto-del-angel

No quadrado, área de Raposa Serra do Sol

Área de exploração de urânio na Guiana, perto de Raposa Serra do Sol

Em janeiro de 2008, Chávez abriu as portas para o Banco Internacional de Desenvolvimento, uma instituição iraniana, em que todos os diretores são… iranianos. Tahmasb Mazaheri já foi o presidente do Banco Central do Irã. A Venezuela passou ainda a fazer vôos regulares para Teerã e Damasco, e o Irã estabeleceu uma rota de navio com o seu parceiro na América do Sul. Vocês podem imaginar a intensa circulação de turistas entre os dois países… Seria interessante saber o que vai na carga dos aviões e navios.. Aposto que não há boas intenções ali.

Mercadante e outros 34 senadores acreditam que Chávez tem uma grande colaboração a dar no Mercosul. Mais uma vez, o Brasil tenta lavar a biografia de um tiranete para mostrar sua independência. Ocorre que Chávez já deixou de ser apenas folclórico faz tempo.

Quem quiser pode temperar este texto com a proposta de Samuel Pinheiro Guimarães, o novo titular da Sealopra, de que o Brasil passe a vender urânio enriquecido. Para fins pacíficos, é claro.

Nenhum comentário: