2009-12-15

O TERRORISMO VERDE

Outra fraude ambientalista

por João Luiz Mauad em 15 de dezembro de 2009 Opinião - Ambientalismo

 

The Psychology of Climate Change Communication: ensinando o caminho das pedras para a fraude, difamação e desinformação

Gostaria de contar com a ajuda de meus estimados 17 leitores, especialmente daqueles versados nos assuntos jurídicos, para uma decisão importante que terei que tomar nos próximos dias. Devo decidir se processo ou não a universidade norte-americana de Columbia (NY) por plágio. Explico:

A Universidade de Columbia, através de seu Centro de Pesquisa para Decisões de Meio Ambiente – Center for Research on Environmental Decisions (CRED) – lançou recentemente um guia denominado (atenção: não é piada) “A Psicologia da Comunicação sobre Mudanças Climáticas” – The Psychology of Climate Change Communication.

Pela introdução, não restam dúvidas quanto às reais intenções de seus formuladores, qual seja, a doutrinação do maior número possível de pessoas mundo afora, conforme se pode notar pelos trechos abaixo:

Muitas pessoas podem citar pelo menos algumas coisas que poderiam fazer para ajudar a mitigar a mudança global do clima, mas não fazem. Por que não? De alguma forma, e apesar de muita atenção da mídia após o lançamento de ‘Uma Verdade Inconveniente’ [o famigerado filme de Al Gore], as mensagens sobre as mudanças climáticas e o que as pessoas precisam fazer para ajudar a impedi-las parecem ter caído em ouvidos moucos.”

(...)

Pesquisa do CRED mostra que, para que a informação da ciência do clima possa ser totalmente absorvida pelo público, ela deve ser ativamente comunicada, com linguagem apropriada, metáforas e analogias, combinada com uma narrativa histórica, tornada viva através de imagens visuais e cenários experimentais, equilibrada com informação científica, e entregue por mensageiros de confiança. Este guia combina laboratório e pesquisa de campo com exemplos do mundo real. Ele combina informações de amplo espectro das disciplinas que o CRED engloba: psicologia, antropologia, economia, história, ciência ambiental e política, e ciência do clima.”

Destinado a quem se comunica sobre a mudança climática, desde cientistas, jornalistas, educadores, clérigos, assessores políticos e cidadãos comuns interessados, o objetivo do guia é ajudar os comunicadores a atingir dois públicos chave – o público em geral e os tomadores de decisão do governo e de empresas – mais eficientemente. Os princípios encontrados neste guia devem ajudar a tornar apresentações sobre as alterações climáticas e os debates mais eficazes.”

Uma “Nota Terminológica”, ainda na introdução, nos informa o seguinte:

Este guia usa o termo ‘mudanças climáticas’ para se referir às alterações que estão ocorrendo no sistema climático da Terra e os impactos dessas alterações nos ecossistemas e na sociedade. ‘Mudança climática’ é uma escolha melhor do que a expressão ‘aquecimento global’, porque evita a conclusão enganosa de que cada região do mundo está a aquecer de forma uniforme e que o único resultado perigoso do crescimento das emissões de gases de efeito estufa são as temperaturas mais elevadas, quando este, na verdade, é apenas o ponto de partida para uma torrente de mudanças nos ecossistemas da Terra.”

Pois bem. Há cerca de dois anos escrevi um artigo intitulado “Manual do Ambientalista do Século XXI”, onde sugeria uma série de técnicas, estratégias e táticas para que os ambientalistas engajados pudessem melhor debater com os céticos e empolgar as platéias. Qual não foi o meu espanto, portanto, ao constatar que minha idéia original, além de algumas das estratégias ali descritas e propostas, a começar pelo uso do termo “Mudanças Climáticas”, foram quase literalmente copiadas no recém lançado guia de Columbia. (Jamais pensei que alguém pudesse levar a minha piada a sério, mas, definitivamente, esse pessoal não tem qualquer senso do ridículo).

Segue o meu artigo de 2007. Comparem e digam se eu não tenho razão.

Manual do ambientalista do Século XXI

"Aquecimento Global"?  Se você se pretende um ambientalista engajado e dedicado à causa, esqueça este slogan, amigão, pois ele está ultrapassado.  O negócio agora é atacar de "Mudanças Climáticas", sem esquecer, é claro, do complemento essencial: "AN-TRO-PO-GÊ-NI-CAS".   Não esqueça, nunca, que a espécie humana deve ser responsabilizada por todas as mazelas do mundo, pois a "Mãe Natureza" é sempre pura, benevolente e cândida.

Ao trocar a muitas vezes embaraçosa objetividade da expressão "aquecimento global" pela relatividade do jargão "mudanças climáticas antropogênicas", você estará seguro de que não será apanhado no contrapé por uma dessas ocorrências estranhas do clima terrestre que ainda insistem em suceder - como o outono mais frio dos últimos 100 anos no Cone-Sul, a Páscoa mais fria de todos os tempos nos EUA, a ocorrência de neve em pleno verão australiano, ou a ausência de furacões na Costa Leste americana durante a temporada de 2006.  Sabe como é, não podemos antever quando estaremos diante de um desses céticos estúpidos e seus argumentos irritantemente lógicos.

Portanto, fale sempre de mudanças climáticas decorrentes das emissões de CO2 e você estará imune a questionamentos, afinal, você sabe, já há consenso entre os cientistas da ONU que o aquecimento global pode provocar ocorrências localizadas de frio extremo e outras alterações que, à primeira vista, poderiam parecer contraditórias com o avanço do aquecimento global.  O importante é que você sempre deixe muito claro o grande perigo que enfrentamos por causa da ganância desenfreada desses capitalistas nojentos – notadamente os que vivem nos Estados Unidos da América - e suas indústrias poluidoras.  Ah! Não se esqueça de acentuar que os países em desenvolvimento são inimputáveis diante do grande tribunal ecológico e têm todo o direito de continuar poluindo o planeta, ainda que um deles, a China, já se tenha tornado o maior emissor de CO2 do mundo, e outro, o Brasil, seja atualmente o maior incendiário da terra.

Como bom democrata, você deve sempre dizer que o debate é saudável e, por isso, é bom que existam alguns poucos (na verdade muito poucos!) "negadores" do outro lado. No entanto, deixe muito claro que somente uma organização independente, isenta e totalmente imparcial – estamos falando, evidentemente, da ONU - estará apta a dar a palavra final sobre qual grupo está com a razão.

Nesse ponto, dispense os argumentos, pois o que vale mesmo é a posição da maioria, o sagrado "consenso", ainda que a ciência jamais tenha avançado à base de "consensos" (Galileu, Copérnico, Einstein, dentre outros, que o digam), mas isso é o que menos importa.

É muito importante que você, ambientalista do século XXI, saiba exatamente quais são as suas reivindicações e não se perca em debates inúteis.  Você pretende um mundo com "energia limpa" e, para que isso seja possível, serão necessários muitos e altíssimos investimentos dos governos mundo afora.  Não importa que te digam que as inovações tecnológicas foram sempre resultantes de esforços capitalistas em busca do interesse próprio e não dos impostos cobrados por governos.  Isso é apenas um detalhe, sem a mínima importância, diante da causa maior que é salvar o mundo do desastre total e, de quebra, frear os avanços do capitalismo.

Sempre, mas sempre mesmo, qualquer que seja o debate, use contra seus opositores alcunhas irônicas, como "marionete do grande capital".  Isso é praticamente infalível e as platéias costumam adorar.  Sugira que eles estão "comprados" ou a serviço das grandes indústrias petrolíferas, avilte-os o máximo possível, chamando-os alternadamente de "vendidos", "renegados", "reacionários", "capitalistas", "burgueses" e todos aqueles adjetivos úteis que você, como bom ambientalista, precisa saber de cor. Dedo em riste, assuma uma postura bem teatral e acuse o seu adversário de "abutre da natureza", "escravo das multinacionais" ou "genocida das futuras gerações".  Não se esqueça daquele sorrisinho sarcástico no canto da boca ou daquela piscadela de olhos a demonstrar certa intimidade com o público.

Repita quantas vezes forem necessárias coisas do tipo: "todo mundo sabe", "todo mundo concorda", "não existe qualquer sombra de dúvida com relação à posição oficial da ONU".  Deixe claro que o outro lado é tão somente parte de uma minoria teimosa, barulhenta, estúpida e sem sentimentos humanitários para com o resto do mundo.  Alegue sempre que os céticos nada mais fazem do que embaralhar os dados científicos irrefutáveis do IPCC e usar a retórica como arma para desinformar o público.  Faça isso, mesmo que as evidências científicas apontem que as coisas não são bem assim.

Finalmente, não se esqueça de que os argumentos "ad hominem", sobretudo quando utilizados com habilidade, costumam ser uma excelente ferramenta de convencimento. As platéias normalmente adoram quando o debate sai da teoria e cai na baixaria.  Por isso, se a situação ficar preta (ops!, complicada), desista da lógica ou dos fatos. Avise que não perderá tempo com argumentos "por princípio" inaceitáveis ou "opiniões simplistas" para um "tema tão complexo". Concentre seus ataques no oponente, não em suas idéias.

Sempre que possível, abuse do maniqueísmo: afirme, com todas as letras, que o outro lado é a própria encarnação do mal absoluto, enquanto você só está preocupado em salvar o planeta para as gerações futuras. Se, por uma dessas razões que a própria razão desconhece, você ficar encurralado pela verve de um adversário mais tinhoso, encontre um defeito físico nele e passe a ridicularizá-lo. Ironicamente, chame-o de gordo, de careca, de magrela, de narigudo, de perneta, quatro-olhos, etc. É infalível.

Nenhum comentário: