2009-09-02

NÃO COLABORE COM CRIANÇA ESPERANÇA

Quarta-feira, Setembro 02, 2009

Por que eu não vou colaborar com o Criança-Esperança

Por Klauber Cristofen Pires
Pode parecer pura ranhetice. Quer saber? É mesmo. Ainda assim, prefiro ser ranzinza que idiota. Mas vamos ao que interessa, e antes de me venham com aquele ar de indignada surpresa e um “- O quê? Você não vai ajudar as crianças pobres?”, vou mencionar só dois dos tais de mais de cinco mil projetos que este empreendimento vem executando à custa da boa-fé das pessoas.

Em uma das chamadas, a emissora global mostra um projeto em que marmanjos são incentivados a andar com as cuecas à mostra e imitar trejeitos de um orangotango. Alega que isto os tem feito se afastar da criminalidade. Como é que um sujeito que é ensinado a se vestir como um marginal, a cantar músicas que malham a polícia e a sociedade que trabalha (e doa recursos para estes debilóides serem adulados), e a executar uma coreografia que mais parece uma aula de pugilismo vai se tornar um homem sério, estudioso e responsável, é algo que dificilmente alguém há de me convencer. Até lá, não solto um tostão.

Em outra, crianças de uma favela também são retiradas do mundo cruel e violento, e aprendem dança, representação, artes feitas com lixo (garrafas pet, papelões de caixas e outros materiais do gênero). Aqui em Belém, o prefeito Edmilson Rodrigues (tinha de ser do PT), também inventou uma destas escolas-de-enxugar-gelo, chamada “Escola-Circo”. O resultado hoje pode ser comprovado em cada esquina, com um coitado enganado na vida pensando que engolir fogo ou jogar pesos pra cima em troca de uma esmola é fazer alguma coisa que preste. Ahh que bom, se tudo o que todas as pessoas pudessem fazer para crescer na vida fosse aprender a ser artista.

Em tempo: por acaso algum destes jovens já foi aproveitado em alguma novela global? Há algum tempo atrás eu conheci um jovem egresso de um programa para o qual eu realmente aplaudo: trata-se da Fundação Bradesco. Pois, este banco – esta instituição tão mal afamada neste país – pegou este jovem, patrocinou-lhe um bom estudo, inclusive com custeio de material escolar, uniformes e auxílio com transporte, e ao cabo, devido ao seu continuado bom rendimento, garantiu-lhe um emprego. Atualmente este rapaz trabalha em uma das agências Bradesco (e não é um destes empreguinhos pra gente carente com a baixa-estima em alta não – é um posto com bastante responsabilidade!), estuda na faculdade e em breve, devido a este nível superior que há de galgar, seguramente receberá boas promoções.

Agora, vem o meu caso contra tudo o Campanha-Esperança: por décadas, a Globo vem incentivando os jovens a se afastarem dos seus pais, e a rebelarem-se contra estes “quadrados e caretas”. Por décadas, tem estimulado a alijá-los de oportunidades de aprenderem – com os próprios pais ou com terceiros - ofícios verdadeiramente úteis. Por décadas, as suas novelas e seus programas politicamente corretos têm contribuído para fazer da juventude um bando – no sentido mais preciso do termo, que signifique uma massa de seres desprovida de qualquer relação com a civilização. Por décadas, as pessoas honestas e os valores cristãos têm sido representados por personagens escandalosos, dissimulados, ardilosos e hipócritas, enquanto os criminosos, macumbeiros e desajustados em geral o foram por seus contra-pares equilibrados, sensatos, justos e idealistas. Por décadas, a Globo tem estado ao lado dos traficantes e contra o armamento pela população trabalhadora e ordeira, estimulando a aceitação da população para que a marginalidade hoje detenha o status de poder governante nas favelas do Brasil inteiro.

Conclusão: depois de fazerem os jovens que estavam, por assim dizer, em um navio grande e seguro, jogarem-se na água infestada de tubarões, agora vêem com um bote salva-vidas “furreco” alardeando a todo o mundo que estão os salvando! Eu vejo isto. E você, não?

Postado por Klauber Cristofen Pires às 9:39 AM

Postagem mais antiga Início

Nenhum comentário: