2009-07-28

MAIS UMA CAGADA DO ANÃO MORAL CELSO AMORIM


Amorim está na vanguarda da perseguição ao governo constitucional de Honduras

terça-feira, 28 de julho de 2009 | 18:42

Celso Amorim, cuja grandeza interna só perde ligeiramente para a externa, está descontente com as pressões feitas até agora contra o governo provisório de Honduras. Ele as considera pequenas, insuficientes. Ele quer mais.

Lembrem-se de que o Brasil não se alinha nem mesmo com o Plano Arias, que é defendido pelos Estados Unidos - que prevê, sim, o retorno de Manuel Zelaya, mas num governo compartilhado e sem aquela história de Constituinte.

Não! O Brasil está com Chávez, com Miguel Insulza (da OEA), com Daniel Ortega, com Evo Morales, com Rafael Correa… Tudo gente boa. O Brasil quer o retorno incondicional de Zelaya, o que, nas circunstâncias dadas, implicaria um banho de sangue. Mas e daí? Lula telefonou para Zelaya para lhe desejar sorte na tentativa de entrar em Honduras pela Nicarágua. Mas sigamos.

O Brasil, acreditem, na ONU e em outros organismos multilaterais, vota sempre contra sanções a países que transgridem normas. Justificativa? Elas acabariam punindo o povo e preservando os governantes. Atenção! O Brasil se opõe até a sanções ao Sudão, que tem um governo genocida. Mas acredita que é preciso endurecer com Honduras.

Dois pesos, duas medidas: a diplomacia brasileira é branda com genocidas e ditadores, mas pede severidade máxima com um governo CONSTITUCIONAL.

Só para constar: até agora, o Itamaraty não disse uma palavra, nem dirá, sobre o armamento venezuelano que foi encontrado com os narcoterroristas das Farc. Observem que não é questão de achismo ou contrapropaganda: o Exército colombiano confiscou os lança-foguetes e os foguetes e confirmou com uma empresa sueca e com o governo sueco que eles foram vendidos à Venezuela.

Isso deve parecer legítimo e correto a Celso Amorim.

Ah, sim: ele diz esperar mais punições a Honduras, mas que não prejudiquem o povo. É mesmo um humanista!

Nenhum comentário: