2009-07-01

LULA E O TERRORISTA KHADAFI, COMO ASSIM?


NOJO!
quarta-feira, 1 de julho de 2009 18:57




Lula (à dir.), ao lado do terrorista Khadafi (este que veste um "amarelo Juliana Paes"), prega contra o "golpe" em Honduras. Ah, sim: Khadafi caça opositores, mas jura que só queria ser "bo-ni-ta" e caçar beduínos - Foto Sabri Elmehdwi/Efe

Este ser que aparece ao lado de Lula na foto acima, envergando essas coruscantes vestes amarelas, que rivalizam com as de Juliana Paes na novela das oito, é Khadafi, ditador da Líbia há 40 anos. Como se lê abaixo, o brasileiro é um dos convidados de honra da 13ª Cúpula dos Países Árabes. O outro é Ahmadinejad, presidente do Irã. Há melhor lugar para falar de democracia e contra golpes? Não há! A maioria dos presentes não sabe a diferença entre um regime democrático e uma montanha de cadáveres. Khadafi mesmo, terrorista compulsivo até outro dia, nega muitas das acusações. Ele só admitiu até agora ter mandado explodir um avião com 270 inocentes. É um dos precursores dessa modalidade ataque. Mas é caridoso: ele se ofereceu para indenizar as famílias…

E Lula não se fez de rogado. Junto com suas lições de política externa nível “Massinha I”, pediu o repúdio ao que chamou de “golpe em Honduras”. Imagino quão indignado deve ficar um iluminista como Omar al Bashir, presidente do Sudão, responsável direto pela morte de 300 mil pessoas em Darfur - hoje, certamente, um dos lugares mais malditos da terra. “Golpe? Que coisa idiota! Por que não massacram os adversários de vez!?” Não é que o Brasil tenha sido omisso em relação àquele país! Não! O Brasil tornou-se mesmo um aliado do facínora.

Mas Lula é contra golpes se a favor da democracia. Por isso consegue ser homenageado na reunião que também aplaude Ahmadinejad - sinal de que ambos são vistos como pessoas que integram, vamos dizer assim, um mesmo paradigma de liderança.

O governo provisório de Honduras não matou ninguém e, está comprovado, impediu um golpe civil. Com raras exceções, os que homenageiam Lula são homicidas compulsivos. Assim, tem-se um corolário: o matar pouco, ou não matar nada, faz os inimigos de Lula; o matar muito, os seus amigos.

Ah, sim: se algum petralha conseguir escrever um texto com apenas duas patas no chão justificando que se combata o atual governo de Honduras justamente naquela reunião, juro que publico. Mas reitero a condição: as patas dianteiras tem de estar no ar.



1 Comentário » COMPARTILHE
Por Reinaldo Azevedo


Lula entre os ditadores
quarta-feira, 1 de julho de 2009 18:26

Da Efe, na Folha Online. Comento no post seguinte:
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, em um discurso na cúpula da União Africana (UA), na cidade líbia de Sirte, que o futuro do Brasil está ligado ao da África e que o continente é uma das prioridades da política externa. “Há um provérbio que diz que, se não quer que os outros escrevam por você, escreva você mesmo a sua história. Brasil e África devem escrever juntos sua história e seu porvir comum.”
Desde que chegou à Presidência, em janeiro de 2003, Lula fez viagens para 20 países da África e aumentou a presença diplomática brasileira naquele continente, com um total de 34 embaixadas. Seu discurso foi o primeiro de um presidente brasileiro como orador convidado em uma cúpula africana.
No discurso, Lula também disse que, há alguns anos, os países ricos tomavam a África e a América Latina como uma das causas de seus problemas e que, agora, são considerados parte da solução para a crise econômica. O brasileiro também defendeu que os dois lados iniciem novas normas de cooperação “sem intervenção estrangeira”.
“O Brasil não veio à África para se desculpar do passado colonial. Queremos ser verdadeiros parceiros no desenvolvimento e na cooperação.” O presidente lembrou que há 10 milhões de habitantes de origem árabe e africana que “enriquecem a cultura de nosso país, no qual vivemos juntos em perfeita comunhão”.
O presidente ainda indicou que o Brasil está “ao lado” da África para apoiar seus esforços em prol da paz e da segurança, uma tarefa que, segundo ele, “não é fácil”, pelos conflitos que há no continente, incluindo “os nascidos do período colonial”.
O presidente anunciou que o Brasil quer sediar um escritório da UA em breve e está organizando uma reunião dos ministros de Agricultura africanos em território brasileiro para que os países do continente se beneficiem da experiência brasileira no setor agrícola, o tema oficial da cúpula da UA em Sirte.
Lula pediu aos chefes de Estado africanos que a declaração final da cúpula condene o golpe militar contra o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, e solicitou também o apoio da África à candidatura do Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos de 2016.



2 Comentários » COMPARTILHE

Nenhum comentário: