2009-06-09

PETROBRAS, CAETANO, ISLÃ E ECOS FASCISTÓIDES


O papo-furado de Gabrielli segunda-feira, 8 de junho de 2009 | 21:38

Leiam o que vai abaixo. Volto em seguida:
Na Folha Online:

O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, defendeu a criação do blog feito pela estatal para responder às matérias jornalísticas e negou que haja uma tentativa de intimidação da imprensa. Em entrevista ao programa “Roda Viva”, da TV Cultura, disse que o blog “Fatos e Dados” busca dar transparência às informações, e que os jornalistas terão que se adaptar à divulgação dos pedidos relativos às pautas.

“Estamos apostando num instrumento possibilitado pela internet, criado num momento de intensa exposição sobre temas da Petrobras, com várias interpretações diferentes, com várias conotações distintas, matérias insinuadoras que precisam ser publicadas na íntegra”, afirmou.

Gabrielli minimizou queixas dos jornalistas de que a Petrobras estaria vazando informações, ao publicar os pedidos antes de as reportagem serem publicadas. Para o executivo, a Petrobras é a dona das informações, e tem o direito de definir suas divulgações.

Ele defendeu ainda que outras empresas passem a adotar procedimento semelhante.
“Nós vamos revolucionar o jornalismo brasileiro”, disse.

Reportagem da Folha publicada no último sábado (6) informa que a Petrobras decidiu tornar públicos, no blog, os e-mails enviados por jornalistas que procuram a assessoria de comunicação da empresa, no Rio, para obter informações e esclarecimentos para reportagens que ainda estão em andamento.
A Petrobras explica que o objetivo “é tornar públicas as respostas enviadas pela companhia, de forma completa e sem edição dos dados, sobre todos os questionamentos feitos pela imprensa”.

Comento
Conversa mole! Então que este senhor suspenda toda a publicidade oficial da Petrobras. A empresa passa a se comunicar com o público por meio de seu blog. A rigor, nem mesmo a entrevista ao Roda Viva precisaria ter sido dada, não é? Que Gabrielli falasse na página oficial da empresa, ora essa…


Se a Petrobras pode dispensar o que considera “mediação” da imprensa, também pode deixar de lado a “mediação” da publicidade. E por que não deixa? Respondo: porque a Petrobras não suporta ser contraditada. Na propaganda, fala sozinha. No blog, também.

Ah, sim: dada a fala do presidente da Petrobras, não poderia haver no blog pergunta sem resposta. Não há?


Gabrielli quer revolucionar o jornalismo? Ao que se vê, trata-se de algo bem próximo da censura.


Por Reinaldo Azevedo
O NOSSO BLOG E O DELES: MAIS UMA FARSA REVELADA
segunda-feira, 8 de junho de 2009 | 21:17

Como vocês sabem, uma das coisas mais polêmicas relacionadas ao meu blog é o fato de eu declarar que não publico mensagens dos petralhas. E não publico mesmo! Quando algum passa pelo mata-burro, vou lá e caço, geralmente advertido pelos meus leitores. Isso não quer dizer, como vocês sabem, que eu não publique divergências. Trata-se de uma lenda urbana, conversa mole. Sobre os temas os mais diversos — aborto, Caetano Veloso, células-tronco, Igreja Católica, o diabo a quatro —, leitores divergem do blogueiro à vontade. Caço é campanha eleitoral. A razão é simples: se eu deixar, “eles” ocupam todo o espaço de comentários, como sempre. Afinal, sabemos todos, estão organizados mesmo, agem a soldo.

Mas “eles” não desistem. Não saem daqui. E me acusam, em seus blogs asquerosos, de praticar, vejam só, “censura”. E vociferam em defesa do que chamam “liberdade de expressão”. Uma pausa agora. Leiam o comentário enviado por um leitor. Volto em seguida:

Oi, Reinaldo, aqui é o seu correspondente em Nova York. Só para fazer um teste, coloquei a seguinte mensagem no tal blog da Petrobras:

“Ainda bem que não sou acionista da Petrobras!!!
Ficaria furioso em ver uma empresa gastando tempo e dinheiro em fofocas e censura à imprensa quando deveria fazer aquilo que os acionistas esperam que faça: cavar petróleo e ganhar dinheiro, nada mais do que isso!!!”

A mensagem foi postada às 5:58 (horário de Brasília, 4:58 aqui em NY). Ficou um tempão marcada como “mensagem aguardando moderação”, e adivinhem! A mensagem sumiu… Agora vou tomar um Alka-Seltzer para curar a gastrite de ler as asneiras petistóides escritas por lá!
Abraços e coragem
Wilson Julian.

Voltei
Viram só? Usando a linguagem deles, a Petrobras está “censurando” as vozes críticas. Por lá, não tem a “liberdade de expressão” que eles reivindicam aqui, não. E os que me criticam por supostamente censurá-los dizem o quê? “Está certo; é Isso mesmo; não tem de publicar as críticas no Blog da Petrobras coisa nenhuma!”

Entenderam?

Aí dirá um distraído: “Pô, Reinaldo, mas você está dizendo, de qualquer modo, que o seu blog e o do Petrobras, então, se igualam neste particular!?”

Não estou, não, leitor! O meu blog é, como é notório, um BLOG PRIVADO, de UM CIDADÃO PRIVADO. Não é o caso da Petrobras. Trata-se de uma empresa pública. Se ela cria um blog para receber opiniões, não pode fazer esse tipo de escrutínio. Vejam lá o comentário de Wilson Julian: o que há de ofensivo ali? Nada! Se petralhas fossem assim educados, conseguiriam emplacar comentários até aqui. Mas eles não conseguem. É contra a sua natureza. Adiante.

Revela-se, assim, a farsa desses caras. A grita generalizada que fazem por aí na Al Qaeda eletrônica se desmoraliza de modo monumental. Eu sempre soube que não era democracia o que queriam, mas apenas aparelhar o blog, emporcalhá-lo de oficialismo. Agora são eles mesmos que confessam a intenção. Não aceitam nem mesmo a divergência em seus blogs, mas pretendem emplacar aqui as suas baixarias.

O blog de uma empresa pública, eles tratam como coisa privada. Meu blog, que é privado, eles queriam expropriar.

Aqui não!

Por Reinaldo Azevedo
ABI E FENAJ: CUIDADO PARA NÃO VOMITAR, LEITOR
segunda-feira, 8 de junho de 2009 | 19:20

Entrei no site da Associação Brasileira de Imprensa para ver se havia lá algo sobre a campanha intimidatória da Petrobras contra os jornalistas. Nada! Com o patrocino da Petrobras, a ABI segue fazendo a defesa da obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão, o que é uma piada, e anunciando um filme cubano. A ABI, se bem se lembram, participou daquela manifestação contra a CPI. Nas inúteis escolas de jornalismo Brasil afora, “professores” que nunca pisaram numa redação (alguns poucos já escreveram um lead ao menos sobre buraco de rua) continuam a doutrinar jovens pretendentes à carreira. O mantra ainda é aquele segundo o qual a imprensa burguesa faz a vontade do anunciante. A esquerdista ABI, patrocinada pela Petrobras, como a gente vê, é independente.

Aí entrei na página da Fenaj, a Federação Nacional dos Jornalistas, outro aparelho do PT. Nada sobre a intimidação. Também está lá fazendo a defesa da obrigatoriedade do diploma. Fala sobre a Petrobras? Mais ou menos. Reproduzo um trecho (e, nesse caso, é realmente para quem tem estômago forte):

Capitaneados pela Federação Nacional dos Jornalistas, sete sindicatos dos jornalistas concretizaram, nesta quinta-feira, dia 27 de maio, uma antiga demanda da categoria. O lançamento do plano de previdência complementar FENAJprev oferece, a partir de agora, aos jornalistas sindicalizados, o acesso ao fundo de pensão Petros. Os profissionais terão uma instituição sólida para gerenciar os investimentos em uma renda futura para quando deixarem de ter a fonte do trabalho diário em redações e assessorias.

Sim, vocês entenderam direito. Trata-se de um convênio entre esses sindicatos e o plano de Prevdência da… Petrobras!!! Aí fui à página da Petros. As duas principais notícias:
- a criação do blog da Petrobras;
- o plano de previdência privada dos jornalistas.

Não! Nunca fui sindicalizado. Nem quando eu era apenas um rapaz latino-americano… Nunca serei. Não pertenci, não pertenço e jamais pertencerei à “categoria” dessa gente.




Por Reinaldo Azevedo
E-mails da Petrobras ameaçam jornalistas

segunda-feira, 8 de junho de 2009 | 18:58


Atenção!

Não contente em divulgar no tal blog as perguntas enviadas pelos jornalistas, os e-mails da empresa ameaçam os profissionais com processos. Isto mesmo: processos. É inacreditável o que está em curso. De fato, nunca antes nestepaiz se viu algo parecido. Até agora, não vi uma miserável nota da Fenaj, a Federação Nacional dos Jornalistas. Nem da ABI, a Associação Brasileira de Imprensa. No próximo post, volto a essas duas entidades. Segue nota da Associação Nacional de Jornais.

A Associação Nacional de Jornais (ANJ) manifesta seu repúdio pela atitude antiética e esquiva com que a Petrobras vem tratando os questionamentos que lhe são dirigidos pelos jornais brasileiros, em particular por O Globo, Folha de S.Paulo e O Estado de S.Paulo, que nas últimas semanas publicaram reportagens sobre evidências de irregularidades e de favorecimento político em contratos assinados pela estatal e suas controladas.

Numa canhestra tentativa de intimidar jornais e jornalistas, a empresa criou um blog no qual divulga as perguntas enviadas à sua assessoria de imprensa pelos jornalistas antes mesmo de publicadas as matérias às quais se referem, numa inaceitável quebra da confidencialidade que deve orientar a relação entre jornalistas e suas fontes.

Como se não bastasse essa prática contrária aos princípios universais de liberdade de imprensa, os e-mails de resposta da assessoria incluem ameaças de processo no caso de suas informações não receberem um “tratamento adequado”.

Tal advertência intimidatória, mais que um desrespeito aos profissionais de imprensa, configura uma violação do direito da sociedade a ser livremente informada, pois evidencia uma política de comunicação que visa a tutelar a opinião pública, negando-se ao democrático escrutínio de seus atos.

Júlio César Mesquita, vice-presidente da ANJ e responsável pelo Comitê de Liberdade de Expressão



Por Reinaldo Azevedo
Ecos fascistóides
segunda-feira, 8 de junho de 2009 | 17:07

Abaixo, seguem alguns comentários extraídos do blog da Petrobras. Fica evidente a tentativa da empresa de fazer uma espécie de chantagem com a “grande imprensa”, usando a rede para o trabalho de difamação. Embora seja blog oficial de uma empresa pública, as críticas raramente são publicadas — só se forem construtivas… O pior é que a Petrobras incentiva os idiotas a achar que, não fosse a estatal, não existiria imprensa no Brasil. Há um aí abaixo que acha que até o jornal Valor Econômico é de oposição, o que, convenham, é uma ofensa ao dedicado trabalho que se faz lá. Nunca antes nestepaiz um veículo aderiu ao governo com tanta clareza e falta de cerimônia. È uma injustiça fazer uma acusação como essa… Leiam. Volto em seguida.

Eu, como detentor de ações ON e PN da Petrobras, faço um pedido assim como o fiz ao canal Relação com os Investidores da empresa:
Por favor, como acionista desta empresa, gostaria que esta parasse com os anúncios publicitários nos seguintes meios de notícia: Folha de S. Paulo, Rede Globo, O Estado de S. Paulo, Veja, O Globo e Valor Econômico.
Como investidor e como pessoa, não me cai bem ver em uma página um anúncio da empresa que tanto amo, que representa meu país, e ainda me cede um retorno financeiro e, virando a página, uma notícia com calúnias, mentiras, intrigas e demais fatos negativos sobre o meu patrimônio.
Há outros meios para se anunciar, assim como há outros investimentos para eu ganhar dinheiro. É lastimável a empresa ainda anunciar nestes jornais, revistas e redes de televisão. Se após o vencimento dos contratos de publicidade a empresa continuar a dar um tapa na cara dos brasileiros anunciando novamente em quem só quer o nosso mal, eu paro de investir na empresa. Aliás, não só eu, mas como todos com quem converso e que acreditam em um país melhor.
Grato pela atenção,
*
Excelente o Blog dando respostas rápidas e objetivas e encarando a midia de frente, sem medo. Chega de manipulações, de noticias distorcidas. O povo está com a Petrobras. Por mim, as Folhas da vida morrerão à mingua, sem leitores.Mentiram, omitiram, manipularam, distorceam tanto que perderam os leitores ( e a vergonha) pelo caminho….
*
PARABÉNS pela iniciativa. Acredito que o próximo passo deveria ser a Petrobras parar de patrocinar ou até mesmo, suspender suas campanhas publicitárias nos veículos de comunicação que atacam diretamente a empresa, defendendo implicitamente a privatização do pré-sal e até mesmo da própria Petrobras. Espero que a direção da empresa e o governo assim o façam, mexa-se no bolso deles.
*
Parabéns pelo blog. Esta iniciativa é importantíssima diante da falência total da credibilidade dos grandes veículos de comunicação do Brasil, se é que algum dia tiveram tal credibilidade. A iniciativa da Petrobras só demonstra que não só os cidadãos, como as grandes companhias brasileiras, não podem mais confiar em jornais que são grande somente em seus nomes e em sua arrogância, em seu desejo deslavado de fazer política partidária para aqueles que foram, e são, a favor de vender a Petrobras, sem x, a preço de banana.

Voltei
Com 1.150 pessoas dedicadas à “área de comunicação” mais três assessorias de imprensa contratadas, é realmente uma vergonha a Petrobras não ter o seu próprio jornal diário, a sua própria televisão e a sua própria revista — a sua própria previdência já é dona de uma boa fatia das empresas do país. E, como se nota, a gigante parece ambicionar ter, também, um governo próprio. Por que não pensa em criar uma moeda própria? O passo seguinte será declarar a independência.

Vejam a indigência intelectual que está sendo estimulada. Coisa de quem acredita que não tem de prestar contas a ninguém. É… Se a Petrobras realmente deixasse de anunciar na “mídia”, em qualquer mídia, só os veículos que vivem de puxar o saco do governo é que morreriam. Os napoleões teriam de reidigir as sas cartas no hospício.

Apesar de tanto adesismo, a imprensa é o único território ainda não plenamente conquistado pelo lulo-petismo. E a turma não se conforma. Franklin Martins e José Sérgio Gabrielli resolveram partir para o ataque.

PS: Se a Petrobras parasse de financiar filme ruim, já seria uma bênção.


Por Reinaldo Azevedo Mantega: a lanterna na popa segunda-feira, 8 de junho de 2009 | 16:22

Há quatro meses, Guido Mantega, ministro da Fazenda, dizia ainda acreditar num crescimento de 4% (!!!) neste ano, quando os muito otimistas afirmavam que não passaria de 1%, e os realistas ficavam mesmo com zero ou menos… Agora, o ministro diz que O PIB do primeiro trimestre será — porque já foi — “certamente negativo”. Corajoso!!! O IBGE divulga o número amanhã…

Este é Mantega. Não devemos acreditar em suas previsões sobre o futuro. Mas uma coisa é certa: ninguém prevê o passado como ele. É uma verdadeira lanterna na popa.



Por Reinaldo Azevedo SOU GRATO AO ISLÃ PELA BÚSSOLA segunda-feira, 8 de junho de 2009 | 16:04
Mas é realmente muito engraçado, não?

Diogo Mainardi e eu mangamos do “discurso histórico” de Obama no Cairo — aquele discurso histórico pré-histórico: como vocês sabem, quando o presidente americano está na jogada, os fatos nem aconteceram ainda, mas já se transformaram em marcos. Impressiona-me que os babaobamaníacos não se dêem conta do ridículo. E, bem, eles não se dão.

Aí chega uma enxurrada de comentários: “Então não é verdade que os árabes inventaram a bússola e outros instrumentos de navegação? Então não é verdade o seu papel no Renascimento? Então não é verdade…?” Oh, é tudo verdade. Como disse Diogo, tudo o que está lá na Wikipedia pode entrar na redação do estudante Obama. Não deixa de ser sintomático que ele precise recuar sempre uns 10 séculos para ser grato pelas contribuições que o Islã deu ao Ocidente.

E acho que a gente precisa ter reciprocidade nessas coisas. Algum aiatolá ou alguma suma autoridade sunita poderia vir ao Ocidente agradecer o Cristianismo pela descoberta do antibiótico, da vacina e até dos aviões que derrubam torres, não é mesmo? Se a gente tem de dizer “obrigado” ao Islã por ter segurado a onda da aritmética durante o período das “trevas” cristãs, então eles que venham se ajoelhar ao pé da cruz pelos últimos mil anos.

Não lhes parece uma troca justa? Nós seremos gratos a eles porque nos deram um passado, e eles nos serão gratos porque lhes damos um futuro. O que acham?

É uma ironia? Não brinquem… Estou apenas evidenciando a profundidade do discurso de Obama no Cairo…




Por Reinaldo Azevedo
Ainda Caetano, alhos e bugalhos
segunda-feira, 8 de junho de 2009 | 15:46

Mas é realmente muito engraçado, não?

Eu lá falei do “Caetano enquanto artista”? Nada! Zero! E, quando o fiz, não aqui, foi em texto elogioso. Desta feita, respondi a um ataque — grosseiro e superficial — do “Caetano enquanto pensador político”.

O Brasil é realmente engraçado. Caetano resolve opinar sobre o debate ideológico e cercanias. Se alguém responde, se diz que ele está errado, logo aparece um: “Como você ousa? Ele é um grande artista”. Ser um grande artista, na suposição de que seja, lhe dá licença especial de afirmar bobagens em outras áreas? Não! Pior: boa parte da simpatia que angaria não deriva do mérito da opinião, mas de sua atividade principal. Pego outro exemplo: Cristiane Torloni acredita saber o que fazer com a Amazônia. Ganha espaço na imprensa com as suas ligeirezas ambientais porque é atriz, não porque tenha estudado a matéria sobre a qual proclama sentenças. Se contestada, logo aparece alguém: “Ah, mas ela é uma boa atriz”. E daí?

Trata-se de uma espécie de “Maldição Chico Buarque”, o proclamado “poeta”. Inegavelmente, trata-se de um grande letrista da tal MPB. Tem realmente alguns versos bastante apreciáveis se acompanhados ao violão. Nunca neguei isso. Mas é um idiota político. Nas vezes em que o critiquei, ataquei o seu discurso político, não as suas rimas. Qual é?

Reitero: as pessoas opinem sobre o que bem entenderem. Mas a sua especialidade numa determinada área não as torna intocáveis em outras.

Nenhum comentário: