2009-05-15

PETROBRAS, POR QUE NÃO PODE SER INVESTIGADA?


O VOZ DO PODEROSO MINISTRO DA PROPAGANDA

Leiam trecho de uma reportagem do Estadão Online. Comento depois.
O ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência, Franklin Martins, que também participou da reunião com Lula, comentou que a oposição, ao invés de se preocupar com os maiores problemas do País, está se preocupando com a maior empresa do País, que mais ajuda a criar emprego, investimento, gerar renda e enfrentar a crise. "A oposição deve saber o que está fazendo. A Petrobras é uma empresa pela qual o povo brasileiro tem um enorme respeito", disse.
Comento
Franklin Martins é hoje um dos ministros mais poderosos do governo Lula. Deveria organizar a comunicação do governo e, eventualmente, ser o porta-voz de Lula. É mais do que isso. Transformou-se num divulgador de slogans e de propaganda política — eventualmente, de terrorismo político, como o que se vê acima.Pior do que isso: conta com setoristas na imprensa e na subimprensa que espalham as suas verdades. Um deles chega a ser caricato no servilismo. Está sempre “apurando” o que Franklin quer que ele escreva, coitado! Tirem o “coitado” daí. Quem faz esse tipo de trabalho sabe muito bem por que o faz.Haveria na fala de Franklin Martins um certo tom de ameaça? “A Petrobras é uma empresa pela qual o Povo brasileiro tem enorme respeito”. Parece-me que isso cheira a um flerte com uma campanha de demonização da oposição para transformá-la em inimiga da Petrobras.Mais: este senhor deveria ser comedido e se declarar, quando menos, impedido de comentar pessoalmente o assunto — ou de vazar as suas opiniões. A razão é simples: uma dos principais imbróglios envolvendo a Petrobras diz respeito justamente ao pagamento de royalties arbitrado pela ANP — Agência Nacional de Petróleo —, de que Victor Martins, seu irmão, é diretor. O tal documento da PF, é bom lembrar, acusa Victor de irregularidade. Franklin não é a melhor pessoa para tratar do caso. Não convém confundir coisas que digam respeito à família Martins com os interesses nacionais.
Por Reinaldo Azevedo 18:33 comentários (55)

AJUSTE DE INFORMAÇÃO

Escreve a Folha Online:“A VEJA diz que
Victor Martins é sócio de uma empresa que direcionaria pareceres da ANP sobre a concessão de royalties de petróleo. Com isso, a consultoria favoreceria prefeituras que aceitassem contratar a empresa.”
Errado.
Não é a VEJA quem diz que a empresa de Victor Martins, irmão de Franklin Martins, direciona pareceres; documento relativo a uma investigação da Inteligência da PF é que sustenta isso.
O colunista Diogo Mainardi, da VEJA, revelou o conteúdo desse documento.
Quando a Folha ou Folha Online revelam o conteúdo de algum documento, atribui-se aos dois veículos a... revelação do documento, não o seu conteúdo. Com a VEJA e Diogo, é a mesma coisa. Não se trata, pois, de um confronto entre o que diz VEJA e o que diz o irmão de Franklin, mas entre o que diz o irmão de Franklin e o que sustenta o documento da PF.
Por Reinaldo Azevedo 18:07 comentários (12)

EM DEFESA DA PETROBRAS. Ou: “O patriotismo é o último refúgio de um canalha”

Falou Lula:"Num momento de crise internacional, levantar uma CPI contra a Petrobras é ser pouco patriota, pouco responsável pelo país.



Falou Dilma
"Não acho que haja irregularidades na Petrobras (...). Sem dúvida uma CPI atrapalharia os investimentos. (...) A Petrobras, para nós, pode ser um instrumento de combate à pobreza, porque acabamos de descobrir a camada de exploração do pré-sal. Não somos um país que vai sofrer da maldição do petróleo. Podemos ter uma indústria fornecedora. E petróleo para nós pode ser instrumento de combate à pobreza. Nós vamos acabar de qualquer jeito com a pobreza e o petróleo pode antecipar isso".
Entenderam?
Como viram, aí está explicitado o discurso terrorista a que me referi no texto dessa madrugada.
A operação foi deflagrada ontem. Os principais alvos foram os senadores do DEM.
Agora, CPI virou atentado à segurança nacional. Agora, CPI virou falta de patriotismo. CPI só é instrumento legítimo da minoria quando usada contra adversários do PT.
ATENÇÃO, A CPI PODE SER UM INSTRUMENTO DE DEFESA DA PETROBRAS, ISTO SIM.
A PETROBRAS NÃO É PATRIMÔNIO DE SUA DIREÇÃO.
Não custa lembrar. Segundo aquele relatório feito pela Inteligência da PF — autoria confirmada pela direção da instituição confirmou à Folha e ao Jornal Nacional —, numa única operação de mudança de critério de pagamento de royalties, a empresa PODE TER SIDO LESADA EM R$ 1,3 BILHÃO.
Aliás, a a própria Petrobras recorreu à Justiça contra a tal mudança de critério. Que falte transparência nessa área, bem, isso é dado pelos fatos. Ou se vai considerar regular que uma pessoa encarregada de arbitrar — EU DISSE “ARBITRAR” — o pagamento dos royalties mude, de repente, de lado e passe a trabalhar para os interessados em receber o dinheiro?
Se a questão fosse de patriotismo, antipatriótico, então, é tungar os cofres da empresa. Nada disso!
Há que se fazer a CPI em defesa da Petrobras. Esse é o governo Lula de sempre. Daqui a pouco, vai aparecer a militância delinqüente para afirmar que a CPI é o primeiro passo da privatização...
ERRADO: É PRECISO FAZER A CPI JUSTAMENTE PORQUE A PETROBRAS É UMA ESTATAL, com parte de suas ações negociadas em Bolsa.
Nunca vi tamanho medo de uma investigação.
Sei bem que é próprio das minorias tentar uma CPI e próprio das maiorias tentar evitá-la. Mas há parâmetros para se fazer uma coisa e outra.
O PT, que nunca teve limites para propor investigações, também não os tem quando se trata de impedi-las. Que acusasse tentativa de exploração política da oposição, desespero eleitoral, sanha para desgastar o governo, ressentimento etc, vá lá. Seria do jogo.
Afirmar, no entanto, que a investigação é falta de patriotismo é puro discurso vigarista.
NOTEM AINDA:
O GOVERNO ESTÁ MENOS EMPENHADO EM NEGAR IRREGULARIDADES NA EMPRESA DO EM QUE EM AMEAÇAR COM UM DESASTRE CASO A CPI ACONTEÇA.
E não tem jeito: obrigo-me a encerrar com o que já é um clichê, mas inevitável neste caso.
Faço-o até para advertir o presidente Lula, recomendado-lhe distância de discursos perigosos. Tenho de repetir com Samuel Johnson (1709-1784):
“O patriotismo é o último refúgio de um canalha”.

Um comentário:

Laguardia disse...

Quem não deve não teme, diz o adágio popular.

Se a Petrobrás é do povo brasileiro sua administração deve ser transparente.

Se há alguma dúvida quanto a lisura da administração da empresa ela deve ser auditada, e como é uma empresa pública este é o dever do Miniatério Público, do Tribunal de Contas da União, da Policia Federal e do Congresso Nacional através de uma CPI.

Na verdade a Petrobrás não é do povo, mas sim do partido que está no poder que nomeia seus diretores com base em critérios políticos e não técnicos.

O fato do governo e a direção da empresa estarem se opondo a uma CPI é um forte indícios que há irregularidades que devem ser investigadas.