2009-04-25

O GAROTO PROPAGANDA DO PT

Sábado, Abril 25, 2009

A Moralidade Descartável dos Comunistas

Por Klauber Cristofen Pires
Sei lá o que me deu de assistir ao programa A Grande Família. Nunca fiz isto! Foi a curiosidade? Não sei. Se tem uma sensação que este programa me inspira, é a de "vidinha"; assim o chamaria?
Bem, eis que me flagro assistindo ao epísódio exibido em 23/04/2007, intitulado "Só uma injustiça não dói", e testemunho a cena quando o personagem Mendonça (interpretado pelo ator Tonico Pereira), chefe do Lineu (por Marco nanini), é preso pela Polícia Federal sob a acusação de corrupção.
O personagem Lineu faz o tipo de servidor público honesto, incorruptível, de moral rígida e de reputação ilibada; em termos mais conectivos, diria, faz o próprio garoto-propaganda do PT, naquele tempo em que este partido se auto-proclamava o baluarte da moralidade.
Quem ainda puder se lembrar, que recorde as primeiras vinhetas deste programa (já desta geração) que mostravam o Lineu jovem idealista e agitador político ou sindicalista, a bradar suas palavras de ordem com um megafone em punho, até conhecer o personagem da atriz Marieta Severo.
Voltando ao cerne da questão, no episódio em tela, o seu amigo de longos anos Mendonça é preso pela Polícia Federal, e Lineu, em atitude que comporta a sua moralidade coerente com as suas convicções, exclama mais ou menos nestes termos, depois que Mendonça implora por sua compaixão: " - Não sou amigo de corrupto"!
Aqui se flagra o instinto "Gulag" do idealista Lineu. Ao lixo todos os anos de convívio e de amizade. "- Que coloquem um plástico na cabeça do safado e o joguem numa vala", assim revelou sua postura polpotiana, seguida pela retirada do amigo infeliz pelos policiais. Com mais razão, e pela pena do próprio argumentista da série, em cenas posteriores é provada a inocência de Mendonça. Se, pela vontade ou descaso de Irineu, tivesse sido fuzilado no paredão, só lhe restaria uma cena de remorso.
Este episódio me chamou a atenção pelo fato de semelhante fato ter acontecido comigo. Tratou-se igualmente da prisão de um amigo meu, quando eu já não morava mais na cidade em que trabalhávamos juntos. Conversando com outro amigo, tempos depois, este me informava que praticamente todos os colegas lhes deram as costas e apenas ele e mais um ou outro se revezavam em visitá-lo na cadeia para lhe oferecer algum tipo de conforto.
Compadecer-se de algum amigo que tenha cometido um crime, ou ainda menos, que tenha sido acusado por tanto, é agir com atitude cristã. O cristão não teme o "contágio" do crime ou do criminoso. O cristão não é covarde. Sabe que o amigo deverá enfrentar a lei e as consequências dos seus atos. Mas não o abandona por causa disto. Antes, lhe presta assistência, oferecendo-lhe ânimo, calor humano e se puder, qualquer outro tipo de ajuda material. Se há algum sentido que me seja lícito interpretar na Bíblia de acordo com o que explanei acima, é a máxima de Jesus: "- Não julgueis, para não serdes julgados".

Nenhum comentário: