2009-04-28

LULA NEWS, A TV OFICIAL DO PETRALHISMO LULISTA AFUNDA COM 100 MILHOES DE REAIS



TV Brasil demite diretor e abre nova polêmica

Leopoldo Nunes, da área de conteúdo, ataca gestão da rede e avisa que irá processar a EBC por calúnia

Roberto Almeida


O diretor de Programação e Conteúdo da TV Brasil, Leopoldo Nunes, foi demitido na sexta-feira pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que gere a rede pública de televisão. O desligamento ocorreu no mesmo dia em que Nunes fez críticas ao desenvolvimento da TV Brasil e à presidente da EBC, Tereza Cruvinel. A empresa nega que o desligamento tenha relação com as declarações.

O ex-diretor destilou uma série de acusações em entrevista veiculada no site da revista Fórum. Nos trechos mais contundentes, ele ressaltou exemplos de "ineficiência de gestão" da rede. Segundo Nunes, a TV Brasil "rasgou R$ 100 milhões em editais" e devolveu R$ 18 milhões aos cofres públicos "que viraram superávit primário".

O ex-diretor responsabilizou Tereza. Para ele, a presidente da EBC "não tem experiência em gestão". "Ela quer fazer hegemonia. Ela quer fazer a TV dela, não a pública. Infelizmente, do jeito que está o projeto da TV pública, não sai", atacou.


A EBC respondeu, por nota, que o ex-diretor foi demitido em 13 de abril, antes da publicação da entrevista. Segundo a empresa, Nunes recebeu um prazo de 15 dias para o desligamento. "Como este prazo expiraria nesta segunda-feira, 27 de abril, na sexta-feira, dia 24, a diretora-presidente pediu a seu chefe de gabinete que informasse Leopoldo que encaminharia ao Conselho de Administração, nos termos da Lei 11.652 e dos Estatutos da EBC, o pedido de sua destituição", relatou.

A empresa classificou ainda como "falaciosa e desonesta" a acusação de que teria "rasgado R$ 100 milhões em editais". O dinheiro, de acordo com a EBC, era destinado a dois projetos "frustrados por razões legais". Avisou que cumpre "ritos e leis, procedimentos e prazos e acolhe diretrizes estratégicas da empresa".

Ao Estado, Nunes sustentou que foi demitido por causa de suas declarações e avisou que irá processar a EBC por calúnia. "Despachei atos administrativos até sexta-feira passada, estava em viagem de trabalho até ontem. Isso está me cheirando a maracutaia para justificar minha saída", reagiu.

Sobre os R$ 100 milhões "rasgados", afirmou que os contratos estão prontos para serem assinados desde o ano passado. "É má gestão e má vontade", resumiu.

''ENGESSAMENTO''

Nunes é o terceiro diretor a deixar a EBC em menos de um ano. Em junho de 2008, o ex-diretor-geral da TV Brasil, Orlando Senna, e o ex-diretor de Rede e Relacionamento, Mário Borgneth, também saíram da rede pública. À época, Senna apontou "engessamento" da administração da TV Brasil.

Nenhum comentário: