2009-02-26

MST MATA 4 "DA SILVA" EM PERNAMBUCO E DIRIGENTE JUSTIFICA OS ASSASSINATOS.

CARNAVAL VERMELHO

JAIME AMORIM, líder do MST: "O que matamos não foram pessoas comuns. Eram pistoleiros violentos"

GILMAR MENDES – De novo, ele! Ainda bem!

Num ambiente em que a regra é a prevaricação, é de causar espécie que haja um servidor público que não abre mão de falar em nome da lei, sobre a qual se organiza o estado de direito. No caso do Brasil, um estado de direito democraticamente instituído. Sim, estou me referindo ao presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, que já está se tornando uma legenda por ter a coragem de defender a Constituição e os marcos legais do país. Isso diz muito do ministro, sem dúvida, que não tem medo de assombrações. Mas também revela um tanto do estágio degradado das instituições brasileiras e de seus mecanismos de controle.Qual foi a “última do Gilmar”? Transcrevo um trecho de reportagem que está na Folha de hoje: O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Gilmar Mendes, disse ontem que invasões de terra como as que aconteceram neste Carnaval em Pernambuco e no Pontal do Paranapanema, em São Paulo, são ilegais, da mesma forma que foge à lei a concessão de financiamento público a entidades que promovem tal prática. ‘Há uma lei que proíbe o governo de subsidiar esse tipo de movimento. [Repassar] dinheiro público para quem comete ilícito é também uma ilicitude, e aí a responsabilidade é de quem subsidia’, disse o ministro em entrevista coletiva. Para Mendes, ‘a sociedade tolerou esse tipo de ação, por razões diversas, como um certo paternalismo, uma certa compreensão, mas isso não é compatível com a Constituição nem com o Estado de Direito’. Questionado se os movimentos extrapolam a legalidade, ele respondeu estar ‘certo de que sim’ e disse ser fundamental que não ocorra invasão de propriedade pública ou privada. Também afirmou que ‘está faltando talvez uma reação coordenada e ativa do Ministério Público’ para coibir tais ações. Eis aí. É possível divergir? Sim, claro - desde que se ignore o caminho da lei. Não faltará quem diga que Mendes se apressa e emite uma opinião fora dos autos. Quais autos? Nesse caso, não é preciso que haja um processo para que se diga o óbvio. Se alguém perguntar a um ministro do Supremo ou ao sorveteiro se roubar é crime, o que espera que respondam? Que depende do roubo? Se há ou não circunstâncias atenuantes, aí, sim, vai se ver no curso de um processo.Pois bem. O MST e algumas de suas metástases afrontam a legalidade de modo claro, evidente, explícito. Mais do que isso: o movimento faz propaganda aberta de seus métodos. De uma coisa, convenhamos, essa gente não pode ser acusada: de esconder os seus métodos ou o que pretende. Quando o governo dá dinheiro a associações que nada mais são do que fachadas do MST – que nem existência legal tem -, sabe que está carreando recursos públicos para quem vive de afrontar a lei. É conivência, pois, com o crime. E isso é crime!E por que não acontece nada? Eis uma boa pergunta. Cabe ao Ministério Público responder. E cumpre aqui uma lembrança importante: o Incra é um órgão do estado inteiramente aparelhado pelo MST. As direções regionais são ocupadas por pessoas ligadas ao movimento, que aparelhou o ministério da Reforma Agrária. O Brasil é mesmo um país esquisito. Um movimento que recebe farto financiamento oficial não pode nem esbulhar a lei, que logo vem um ministro do Supremo para dizer que a lei vale para todo o mundo, o que inclui o governo... Gilmar Mendes está pensando o quê? Fosse a coisa como ele quer, isso ainda acabaria sendo uma democracia!!!
Vamos lá, senhores do Ministério Público: que essa questão seja considerada ao menos tão importante quanto o romance do casal de cisnes negros do Parque da Aclimação (SP). Já seria um avanço, não? Aliás, todas as vítimas do MST devem reivindicar o tratamento dispensado aos cisnes negros.

2 comentários:

Nacionalista disse...

Isto é imoral e ilegal o dinheiro público financiando invasões de terras pelo MST.
O governo Lula sempre financiou o MST.
A Constituição sendo rasgada pelo Governo Lula.

Tia Cê disse...

Olha, todos bem sabem que cinema nacional é crime, mas gente?!
Vai precisar fazer um filme explicando que o MST é o bandido?
Vai precisar de novo citar que Michel Foucault ensinado entusiaticamente por tudo quanto é chauí, sader e etc. fomenta os alunos a também apoiarem essa barbárie.
Chamem ao filme:
TROPA DE ELITE X MST
elenco:
wagner moura- policial mocinho
? - pedro stedile
? - jose rainha
????????????- os silvas assassinados pelo MST

aceito sugestões